HP querendo pular fora: será que o PC está mesmo com os dias contados?

HPRecentemente, a HP anunciou a decisão de deixar de investir em aparelhos que rodam a plataforma WebOS, incluindo a linha de tablets TouchPad. Mas, junto a esta notícia, veio a informação de que a empresa está estudando a possibilidade de separar sua divisão de PCs, um jeito sútil de dizer que cogita sair deste mercado. Sendo este um dos segmentos onde a HP é mais conhecida, uma pergunta “dramática” surge no ar: será que o PC está mesmo com os dias contados?

O PC comemorou 30 anos de existência nesta semana, com Mark Dean, um dos principais nomes por trás desse produto, declarando que a “era do PC está chegando ao fim”. Atualmente no posto de chefe de tecnologia da IBM, Dean também deu como acertada a decisão da companhia que representa de vender sua divisão de PCs à chinesa Lenovo, em 2004.

O interessante é que a declaração de Mark Dean não culpa diretamente os dispositivos móveis pela suposto fim dos PCs. Para ele, trata-se mais de uma questão comportamental:

“PCs estão sendo substituídos não por outro tipo de dispositivo – embora haja muito entusiasmo em volta dos smartphones e tablets –, mas por novas ideias que estão em andamento sobre o papel da computação no progresso da humanidade. (…) Está ficando evidente que a inovação não floresce melhor nos dispositivos, mas nas lacunas sociais entre eles, onde as pessoas e as ideias se encontram e interagem”.

Por incrível que pareça, eu acho que é justamente este argumento que pode ser utilizado para dizer que “não, o PC não está com os dias contados”. Posso estar errado, mas o que eu percebo é que, hoje, o número de opções é maior. Com isso, está mais fácil definir qual tipo de tecnologia ou produto é mais apropriado para cada necessidade. Se um tablet é a melhor escolha para determinada aplicação, ótimo, vá em frente! Mas se um PC continua se mostrando mais adequado, por que abandoná-lo?

As vendas de PCs estão caindo, mas isso não quer dizer que esses computadores serão, em breve, peças de museu. A queda acontece – e continuará acontecendo – porque, como eu disse, agora contamos com mais opções. Assim, se uma empresa de PCs quiser continuar continuar “firme e forte”, diversificar os seus produtos pode ser o caminho mais natural para isso.

No caso da HP, a decisão de continuar ou não a atuar no segmento de computadores pessoais tem a mesma motivação que levou à venda da divisão de PCs da IBM para a Lenovo: a sensação de que a empresa terá resultados financeiros melhores se focar seus esforços em serviços. De fato, a divisão de PCs da HP não é das mais lucrativas, apesar de a companhia ser uma das líderes deste mercado.

Se esta sensação tem origem justamente no risco de instabilidade no mercado de PCs, não se sabe ao certo, mas o fato é que a principal concorrente da HP neste segmento não demonstra preocupação: em relação à possível decisão da Hewlett-Packard, ninguém menos que Michael Dell, o chefão da companhia que leva o seu sobrenome, foi irônico no Twitter:

Declarações de Michael Dell no Twitter sobre a HP

“HP… Eles estão chamando de separação, mas está mais para uma divórcio”.

“Se a HP se separar de seu negócio de PCs… Talvez chamarão a Compaq?”.

A menção da Compaq não é mero acaso: a empresa foi comprada pela HP em 2002 por cerca de 25 bilhões de dólares. Depois de gastar tanto dinheiro e subir para o topo do mercado de PCs, vale mesmo a pena se desfazer da divisão? De qualquer forma, parece que a HP não tem sido muito feliz em suas decisões: a recém-abandonada plataforma WebOS parou nas mãos da companhia depois da aquisição da quase falida Palm por 1,2 bilhão de dólares. Valeu a pena? Pois é…

Referências: VentureBeat, seattlepi.com.

Emerson Alecrim