HAMR e MAMR nos HDs: o que são?

Introdução

Os HDsdiscos rígidos — não "morreram" com a chegada dos SSDs. Pelo contrário: esses dispositivos ganham cada vez mais capacidade de armazenamento de dados. Há várias tecnologias que contribuem para isso. Entre eles estão a HAMR e a MAMR.

De certo modo, ambas surgiram para complementar técnicas de gravação de dados como PMR, CMR e SMR. Estas foram desenvolvidas para elevar a capacidade de armazenamento de dados dos discos, mas têm seus limites, como o fato de o aumento resultante de densidade dos pratos estar suscetível à instabilidade térmica, problema que pode causar falhas no processo de gravação.

Uma forma de mitigar o problema é fazer as cabeças de gravação dos HDs serem capazes de gerar campos magnéticos mais fortes. É aí que surgem as tecnologias HAMR e MAMR.

Nas próximas linhas, você descobrirá o significado de cada uma e as diferenças entre elas.

Links diretos:

- O que é HAMR?
- O que é MAMR?
- HAMR ou MAMR: o que é melhor?

O que é HAMR?

HAMR
HAMR (imagem: Seagate)

HAMR é a sigla para Heat Assisted Magnetic Recording (algo como Gravação Magnética Assistida por Calor). Trata-se, essencialmente, de uma tecnologia desenvolvida com o intuito de elevar a capacidade de armazenamento de dados do HD, mas sem que este tenha que ter as suas dimensões físicas aumentadas. Em outras palavras, essa é uma técnica que aumenta a densidade do disco.

Como você já sabe, é preciso garantir que esse aumento de capacidade de armazenamento não seja afetado pelo problema da instabilidade térmica. Para tanto, HDs baseados em HAMR costumam ter um minúsculo diodo a laser na cabeça de gravação que aquece a área que irá receber os dados em temperaturas que podem passar de 400 ºC.

Logo em seguida, em questão de nanossegundos, essa área é resfriada rapidamente para voltar à temperatura ambiente. Essa abordagem permite que a cabeça inverta a polaridade magnética das partículas de armazenamento de modo muito preciso e estável, tanto que é possível deixá-las mais próximas umas das outras, o que favorece o aumento da densidade do disco.

Vale destacar que apenas um ponto microscópico do disco é aquecido nesse processo. Não há risco de o HD como um todo superaquecer.

A Seagate é a principal companhia por trás do desenvolvimento e adoção da tecnologia HAMR.

O que é MAMR?

Sigla para Microwave Assisted Magnetic Recording (Gravação Magnética Assistida por Micro-ondas), MAMR é uma tecnologia que, assim como a técnica HAMR, visa aumentar aumentar a capacidade de armazenamento de dados dos discos rígidos. Mas, em vez de aquecimento, a técnica trabalha com micro-ondas.

As cabeças de gravação dos HDs com essa tecnologia incorporam um oscilador de torque e rotação (STO — Spin-Torque Oscillator) que, normalmente, usa ondas em frequências entre 20 GHz e 40 GHz para gerar uma espécie de campo eletromagnético circular bem próximo à área a ser gravada no disco.

MAMR
MAMR (imagem: Western Digital)

Essas micro-ondas diminuem a resistência do disco, fazendo o processo de gravação exigir muito menos energia do que no método tradicional. Graças a isso, é possível usar partículas de gravação menores e mais próximas entre elas, aumentando a densidade do disco.

Quanto menor a distância entre as partículas, mais energia o processo de gravação tende a exigir. Mas, como as micro-ondas atuam como uma de espécie energia auxiliar durante a gravação, isso não chega a ser um problema.

A Western Digital é a empresa que está por trás da chegada de HDs com MAMR ao mercado.

HAMR ou MAMR: o que é melhor?

É difícil dar a resposta. Pesquisadores e empresas que trabalham com MAMR dizem que essa tecnologia leva vantagem sobre a técnica HAMR por não precisar de aquecimento, procedimento que, em tese, diminuiria a durabilidade do disco.

Mas esse é argumento muito simplista, pois, provavelmente, é possível atenuar ou mesmo evitar desgaste por calor — se ele existir — com o aperfeiçoamento da tecnologia.

O fato é que HAMR e MAMR são duas tecnologias muito avançadas e, como tal, estão presentes em HDs sofisticados. Normalmente, essas unidades são destinadas a aplicações profissionais, portanto, tendem a ser bastante confiáveis.

Por conta disso, quando for necessário escolher entre uma tecnologia ou outra, o ideal é comparar todas as características de cada HD e, assim, tomar a decisão com base no conjunto da obra, não em um parâmetro isolado.

* * *

Veja também:

Publicado em 23_08_2020.

Emerson Alecrim Autor: Emerson Alecrim
Graduado em ciência da computação, produz conteúdo sobre tecnologia desde 2001. É especializado em TI, dispositivos móveis, internet e negócios.
Canais para contato (exceto dúvidas técnicas): TwitterInstagramLinkedIn