PontoFrio.com: nova esperança para o comércio eletrônico no Brasil?

Ilustração de botão de compraEu não consigo mais comprar sem influência da internet. Hoje, para a maioria dos produtos pelos quais me interesso ou necessito, visito lojas on-line para pesquisar preços e, claro, para comprar. Se vou a um shopping e vejo algo que me agrada, não compro sem antes dar uma pesquisada na internet para ver se encontro o mesmo produto com preço menor. Quase sempre encontro.

O problema é que, de uns tempos para cá, o comércio eletrônico no Brasil perdeu a graça no que se refere aos principais players do mercado. Por coincidência ou não, parece que a coisa desandou quando a Americanas.com e o Submarino, os maiores sites de venda da internet brasileira, se fundiram. Ambos os sites são controlados agora pela B2W, que também detém outras empresas, como Shoptime e Ingresso.com. Essa, por assim dizer, “concentração de poder” nunca é bem vista por quem espera competitividade.

Não sei se é só comigo – mas pelo o que vejo em fóruns e em site como o Reclame Aqui, não é -, mas a qualidade dos serviços de várias empresas de comércio eletrônico caiu consideravelmente ou, em muitos casos, nunca existiu. A solução que encontrei para continuar usufruindo das vantagens de se comprar on-line foi utilizar sites de vendas especializados em determinados segmentos. Mesmo assim, sites do tipo “tem de tudo” fazem falta.

Recentemente, o PontoFrio.com reinaugurou o seu site de vendas e o tornou bem mais competitivo. Tudo indica que a intenção da empresa é a de ocupar um lugar de destaque no comércio eletrônico brasileiro. Para ser sincero, espero que isso aconteça. Não que eu esteja torcendo pelo sucesso do PontoFrio.com ou pelo insucesso de outra loja, não é isso. Estou torcendo é pelo ressurgimento da concorrência.

Quando falo de concorrência, estou me referindo à concorrência “real”, de disputa de mercado pra valer. Só a concorrência é capaz de fazer as empresas entenderem o quão importante é oferecer tratamento adequado aos clientes. É por isso que tenho boas expectativas em relação ao novo PontoFrio.com. Agora, se a empresa decepcionar e se mostrar tão “sem sal” quanto às outras, acho que voltarei a sonhar com soluções surreais, como a chegada da Amazon ao Brasil…

Referência: InfoMoney.

Emerson Alecrim