O que é RSS?

Introdução

Se você observar bem, verá que a maioria dos sites possui um ícone pequeno, geralmente na cor laranja, muitas vezes acompanhado de dizeres como "RSS", "XML" ou "Atom", semelhante aos que são mostrados abaixo. Estes ícones são, na verdade, um símbolo universal utilizado para indicar que, naquele site, é possível utilizar feeds RSS.

Ícones de feeds RSS

Graças a este recurso, sites e blogs podem divulgar conteúdo novo de maneira rápida e precisa. Para o usuário, a vantagem está em poder ser informado de cada novidade de seus sites preferidos. O objetivo deste artigo é mostrar como o RSS permite tal possibilidade, explicar como este padrão surgiu e esclarecer o seu funcionamento básico.


O que é RSS?

A sigla RSS tem mais de um significado. Alguns a definem como RDF Site Summary, outros a denominam Really Simple Syndication. Há ainda os que a entendem como Rich Site Summary.

RSS é um padrão desenvolvido em linguagem XML que permite aos responsáveis por sites e blogs divulgarem notícias ou novidades destes. Para isso, o link e o resumo daquela notícia (ou a notícia na íntegra) é armazenado em um arquivo de extensão .xml, .rss ou .rdf (é possível utilizar outras extensões). Este arquivo é conhecido como feed ou feed RSS.

Uma pessoa interessada em obter as notícias ou as novidades de um site deve incluir o link do feed deste em um programa ou serviço leitor de RSS (também chamado de agregador). Este software (ou serviço, se for um site) tem a função de ler o conteúdo dos feeds que indexa e mostrá-lo em sua interface.

Para que você entenda melhor, imagine a seguinte situação: Arthur Dent é uma pessoa que gosta de ler as notícias/novidades de vários sites, entre eles: InfoWester, Viva o Linux, BR-Linux e Folha Online.

O problema é que, por ser uma pessoa muito atarefada, Arthur não tem muito tempo para verificar cada endereço em busca de conteúdo novo. Para que isso seja possível, ele utiliza os serviços de RSS de cada um destes sites. Por meio de seu programa-leitor, ele clica no nome do site indexado e uma lista de notícias daquele endereço aparece em uma janela ao lado. Esta lista pode mostrar apenas o título da notícia (este título também é um link para a matéria) ou pode exibir todo o conteúdo, tudo depende da forma de trabalho do agregador e de como o feed é disponibilizado.

É importante frisar que há vários leitores de RSS disponíveis gratuitamente na internet. Há versões para praticamente todos os sistemas operacionais. Cada um é dotado de recursos diferentes. Por exemplo, há programas que se agregam a clientes de e-mail e permitem que você leia notícias em softwares como o Microsoft Outlook e o Mozilla Thunderbird, por exemplo. Outros são capazes de verificar os sites listados em um intervalo de tempo definido por você e emitem um aviso sonoro ou visual assim que encontram uma notícia nova.

Muito mais utilizados, no entanto, são os leitores on-line, com grande destaque para o Google Reader. A vantagem de serviços como este é que você pode acessar os feeds que assina a partir de qualquer computador com acesso à internet, independente do sistema operacional.

A imagem abaixo mostra o Google Reader em ação. Perceba que a lista de feeds assinados aparece na coluna da esquerda. Quando qualquer item desta coluna é selecionado, seu conteúdo aparece na parte da direita:

Feeds RSS no Google Reader


Como o RSS surgiu?

O padrão RSS surgiu no início de 1999 e é uma criação da equipe da Netscape, que "largou" o projeto tempos depois por não achá-lo viável. Uma empresa de menor porte, a UserLand, decidiu por continuar o RSS para aplicá-lo em suas ferramentas de blogs. Para isso, os desenvolvedores resolveram simplificar o código e, quando esta tarefa foi concluída, o RSS 0.91 foi lançado. A Netscape tinha conduzido seus trabalhos até a versão 0.90.

Em paralelo ao trabalho da UserLand, um grupo de desenvolvedores continuou o RSS 0.90 baseando-o no padrão RDF (ver o tópico a seguir). Logo, a versão 1.0 foi lançada por este grupo. A UserLand, no entanto, continuou seu trabalho, lançado versões como 0.92 e 0.93 até que finalmente chegou à versão 2.0. Certamente, a UserLand daria a numeração 1.0 a esta última, mas esta sequência já tinha sido adotada pelo outro grupo.

Na verdade, há mais grupos trabalhando com RSS. É por isso que existem tantos nomes para esta tecnologia.


O que é RDF?

RDF é a sigla para Resource Description Framework. Trata-se de uma especificação baseada em XML que tem como objetivo automatizar e ampliar recursos para a internet por meio de representação de informações. O RDF tem como base o trabalho de uma série de grupos que desenvolvem tecnologias de informação. Isso significa que o RDF não foi criado exclusivamente para feeds RSS, como muitos pensam. Na verdade, se estudarmos o RDF a fundo, veremos que ele tem utilidade em várias aplicações, como em sistemas de busca e mecanismos de compartilhamento de informação.

Por ser um assunto complexo e que foge dos objetivos deste artigo, o RDF não será detalhado aqui. Para mais informações a respeito visite o site www.w3.org/RDF.


O que é Atom?

Ao contrário do RSS, Atom não é uma sigla, mas também é um formato para divulgação de notícias. Há quem diga que este projeto foi, inicialmente, uma proposta de unificação do RSS 1.0 e do RSS 2.0. O Atom também é baseado em XML, mas seu desenvolvimento é tido como mais sofisticado. O grupo que nele trabalha tem até o apoio de grandes corporações, como o Google.

A grande maioria dos agregadores de feed disponíveis ao usuário suporta tanto as versões do RSS quanto o Atom. Para obter mais informações sobre este padrão, visite seu site oficial: www.atomenabled.org.


Como o RSS funciona?

Por ser baseado em XML, nada melhor do que explicar o funcionamento do RSS por meio de seu "código-fonte". Para servir de exemplo, usaremos o código mostrado a seguir. Este exemplo contém apenas campos básicos, o que significa que feeds RSS disponíveis na internet podem contar com mais recursos:


	<rss version="2.0">
		
	<channel>
	
		<generator> RSS Builder </generator>
		<title> InfoWester </title>
		<link> http://www.infowester.com </link>
		<description> Conhecimento tecnológico ao seu alcance </description>
		<language> pt-br </language>
		<webmaster> contato@infowester.com </webMaster>  
		
		<item>
		<title> Tipos de telas: LCD, Plasma, OLED e AMOLED </title>
		<pubDate> Fri, 23 Sep 2011 16:52:19 -0300 </pubDate>		
		<description>
			Veja neste texto as características das telas LCD, 
			Plasma, OLED e AMOLED. Conheça também as 
			diferenças entre estas tecnologias.
		</description>
		<link> http://www.infowester.com/lcd_plasma_oled.php </link>
		<author> contato@infowester.com </author>
		<category> Hardware </category>
		</item>	
		
		<item>
		<title> Quinze dicas para o Word 2010 </title>
		<pubDate> Mon, 8 Aug 2011 19:37:28 GMT </pubDate>		
		<description>
			o InfoWester apresenta neste link uma seleção 
			de quinze dicas para que você possa aproveitar todo 
			o potencial do Microsoft Word 2010!
		</description>
		<link> http://www.infowester.com/dicasword2010.php </link>
		<author> contato@infowester.com </author>
		<category> Dicas </category>
		</item>	

	</channel>
	
	</rss>
	

A primeira linha informa a versão do RSS. Neste caso, é a 2.0. Já a tag (tag é um campo em HTML que deve ser preenchido da forma <nomedatag> conteúdo </nomedatag>) channel indica o canal do feed. A tag link possui o endereço do site (http://www.infowester.com) e a tag title é preenchida com o nome do site (InfoWester). Em description, é possível fornecer uma breve descrição do site. No entanto, há quem prefira informar o slogan do site neste campo.

A tag language informa o idioma utilizado no site (português do Brasil) e o campo webmaster indica o responsável por ele. É uma boa prática informar um endereço de e-mail nesta tag.

Agora vem a parte mais interessante: a área item. Dentro dela está a notícia em si. Para cada nota, é necessário ter uma área item específica. Repare que no exemplo existem duas áreas item, logo, há duas notícias neste feed. A área item é preenchida com a tag title, que fornece o título da notícia; com a tag pubDate, que fornece a data de publicação; com a tag description, que permite a visualização de um resumo do texto (ou do texto completo); com a tag link, que indica o endereço original da notícia; com a tag autor, que informa quem é o autor do texto; e com a tag category, que informa, se for o caso, em qual seção/categoria do site está aquela nota. No exemplo, uma notícia pertence à seção Hardware e a outra à seção Dicas do InfoWester.

Salvando este código com a extensão .rss ou .xml, e indicando ao agregador o endereço onde o arquivo ficará disponível, o feed RSS do site estrá pronto. O trabalho agora é do software ou do serviço que lê o RSS, que terá que usar cada informação de maneira adequada.

Você pode editar manualmente seu RSS ou então usar um programa/script próprio para isso. O código do exemplo foi gerado no programa RSS Builder. Repare que esye nome é informado na tag generator, a primeira depois da abertura da tag channel. Há muitos geradores de RSS na internet, basta procurá-los em sites de downloads. Alguns gerenciadores de conteúdo, como o WordPress, geram feeds automaticamente.


O símbolo universal

A partir de versão 1.5, o navegador de internet Mozilla Firefox passou a adotar um símbolo diferente para o RSS. Depois disso, o símbolo se tornou padrão para representar feeds RSS, isto é, se tornou universal. Trata-se da imagem abaixo, que já foi mostrada no início deste artigo:

Símbolo RSS

Você pode obter vários ícones de RSS para colocar em seu site no endereço www.feedicons.com.


Finalizando

Uma idéia simples e eficiente. Essa é uma boa forma de definir o que o padrão RSS representa. Como você deve ter notado, este é um recurso muito útil para acessar conteúdo específico no meio do emaranhado de informações que a internet se tornou. Por meio de uma única interface, você pode ver notícias ou conhecer novidades das mais variadas fontes e ler somente o conteúdo que lhe interessar.

Não poderíamos finalizar sem deixar de informar: você pode acessar o feed RSS do InfoWester para saber das novidades do site :)

Escrito por - Publicado em 16_01_2005 - Atualizado em 26_11_2011