Linus Torvalds recebe prêmio tido como o “Nobel da Tecnologia”

Linus Torvalds recebeu na última quarta-feira (13/06/2012) mais uma homenagem por ter criado o Linux: ao lado do médico japonês Shinya Yamanaka, o finlandês foi agraciado pelo governo de seu país com a edição 2012 do Millennium Technology Prize, premiação por muitos tida como uma espécie de  “Nobel da Tecnologia”.

Durante a cerimônia, Torvalds e Yamanaka receberam os troféus da premiação diretamente das mãos de Sauli Niinistö, presidente da Finlândia. Como se não bastasse, ambos também irão compartilhar como prêmio o montante de 1,2 milhão de euros.

Shinya Yamanaka e Linus Torvalds durante a cerimônia – Imagem por TAF

Shinya Yamanaka e Linus Torvalds durante a cerimônia – Imagem por TAF

Na visão de Ainomaija Haarla, presidente da TAF (Technology Academy Finland), entidade responsável pela premiação, “o trabalho de Linus Torvalds manteve a Web aberta à busca pelo conhecimento e ao benefício da humanidade, não se deixando guiar simplesmente por interesses financeiros”. De fato, hoje o Linux é utilizado em uma infinidade de dispositivos, indo de servidores Web a smartphones, mas isso não fez de Torvalds um homem tão rico quanto Bill Gates ou os fundadores do Google, por exemplo.

Esta é a primeira vez que a premiação presta homenagem a duas personalidades, o que explica a presença de Shinya Yamanaka. O médico foi premiado por ter desenvolvimento um método para produzir células-tronco de pluripotência induzida em laboratório. A expectativa é de que esse trabalho possa, por exemplo, permitir a criação de órgãos específicos para pacientes que necessitam de algum tipo de transplante.

Mais detalhes no site da TAF (em inglês).

Referência: ZDNet.





2 comentários:

  1. eobana


    Quando um projeto nasce se parece com uma semente, mas muitos destinos estao marcados para crescer se tornar uma arvore forte e sobresair de outras que são apenas folhagem temporária. A origem esta na semente e no destino.

  2. Ellys


    “A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.”
    Albert Einstein