A história da Nintendo

Introdução

O mundo dos jogos eletrônicos talvez não seria o que é hoje se a Nintendo não existisse. Para muita gente, videogame é sinônimo de Nintendo e, para tantos outros, os jogos não teriam tanta graça se não fosse por personagens como Mario, Link (Zelda), Fox McLoud (Star Fox), Samus Aran (Metroid), Donkey Kong e outros. Embora eu também aprecie jogos para PCs e para consoles de outras companhias, sempre me diverti bastante com os jogos da Nintendo, constatação que me incentivou a escrever sobre a história e os principais produtos da empresa. É o que você verá a seguir.


Uma empresa centenária

A história da Nintendo começa em 23 de setembro de 1889, quando Fusajiro Yamauchi fundou a empresa com o nome Nintendo Koppai para produzir Hanafuda, um tipo de jogo de cartas que acabou ficando popular no Japão. Fusajiro também começou a trabalhar com outros tipos de cartas e, aos poucos, o negócio foi se expandindo, tanto que, em 1907, uma parceria com uma companhia de distribuição foi fechada para aumentar o alcance dos produtos no Japão.

No ano de 1929, Fusajiro decidiu se aposentar e transferiu o controle da empresa para Sekiryo Kaneda, esposo de sua única filha, Tei Yamauchi. Após o casamento, Sekiryo passou a ser chamado de Sekiryo Yamauchi.

Em 1933, Sekiryo fez uma reestruturação, e a empresa acabou se mudando para um prédio maior, construído ao lado do primeiro. A mudança também atingiu o nome da companhia, que passou a se chamar Yamauchi Nintendo & Co.

A Nintendo seguiu seu ritmo de crescimento, até que, em 1947, Sekiryo Yamauchi criou a firma Marufuk Co. Ltd. para aumentar a circulação das novas cartas da empresa, especialmente as do tipo ocidental.

Nintendo Mas, em 1949, Sekiryo Yamauchi sofreu um derrame cerebral e, em seu leito, chamou seu neto Hiroshi Yamauchi, de apenas 21 anos, para convidá-lo a assumir o comando da Nintendo. E por que Hiroshi foi chamado, e não o seu pai, como manda a tradição? Por um motivo muito simples: Shikanojo Inaba, pai de Hiroshi, abandonou a família. Quando isso aconteceu, a esposa de Shikanojo, a filha mais velha de Sekiryo Yamauchi, foi morar com a irmã, deixando Hiroshi aos cuidados dos avós. Logo, ele era o herdeiro mais "adequado" para assumir a firma.

Hiroshi Yamauchi aceitou o desafio e, imediatamente, demonstrou ter um estilo agressivo nos negócios, tanto que chegou a investir em empreendimentos nada relacionados ao mercado explorado pela Nintendo, como uma frota de táxis e uma rede de hotéis. Mas, isso não quer dizer que Hiroshi deu menos atenção à empresa que herdou, pelo contrário. Em 1951, alterou o nome da companhia para Nintendo Karuta e, no ano seguinte, mudou a sua sede para um lugar maior.

As decisões de Hiroshi Yamauchi não pararam por aí. Uma delas significou muito à Nintendo, quando o executivo fechou uma parceria com a Disney para comercializar cartas com desenhos de personagens desta última. Seu trabalho foi tão bem conduzido que ele deixou a Nintendo somente em 2002, quando decidiu se aposentar.

O estilo empreendedor de Hiroshi fez com que a Nintendo, em 1969, entrasse para o ramo dos jogos (isto é, passasse a se dedicar não apenas às cartas), época em que a empresa já se chamava Nintendo Company (esta mudança aconteceu em 1963). Foi neste período que a empresa expandiu seus segmentos de atuação e foi também nesta época que Hiroshi conheceu Gunpei Yokoi, um gênio que passou a criar brinquedos que fizeram muito sucesso, entre eles, um braço mecânico chamado Ultra Hand e a linha Kousenjuu, composta por "armas de luz".

Na década de 1970, jogos eletrônicos como Space Invaders e Pong estavam fazendo sucesso. De olho neste mercado, a Nintendo fechou uma parceria com a empresa Magnavox para comercializar uma versão do console Odyssey, mas este dispositivo não vendeu tanto quanto o esperado.

Seguindo o conselho de Masayuki Uemura, outra gênio da Nintendo, Hiroshi Yamauchi decidiu investir no desenvolvimento de consoles mais atraentes e, por meio de uma parceria com a Mitsubishi, lançou o Color-TV Game, uma série de adaptações do jogo Pong. Isso aconteceu em 1977.

Mas, foi em 1980 que a Nintendo fincou, definitivamente, sua bandeira no mundo dos games. Além de ter sido o ano em que a empresa chegou aos Estados Unidos, foi o ano em que Gunpei Yokoi lançou o Game & Watch, um console portátil de um único jogo cuja tela contém impressa o cenário do game. Lançado em várias versões, o Game & Watch foi um sucesso, fazendo com que o seu criador recebesse o merecido reconhecimento. Mas, engana-se quem pensa que as obras de Gunpei terminaram por aí...

Neste ponto, sou obrigado a pular para o ano de 1997: depois de ter saído da Nintendo (supostamente por causa do Virtual Boy, assunto tratado mais adiante), Gunpei trabalhou em um portátil chamado Wonder Swan, lançado exclusivamente no Japão pela Bandai. Enquanto ainda trabalhava neste projeto, Gunpei Yokoi, infelizmente, sofreu um grave acidente de carro (em 1997) e faleceu duas horas depois de ter dado entrada no hospital.


A chegada de Shigeru Miyamoto

O ano de 1977 também marcou a chegada de um dos mais importantes nomes da Nintendo: Shigeru Miyamoto. Contratado pela empresa após se formar em Design Industrial, Miyamoto teve como principal função, no início, ajudar no desenho do exterior de arcades (máquinas de jogos conhecidas no Brasil como fliperamas).

Shigeru Miyamoto
Shigeru Miyamoto - Imagem por Wikipedia

Se a Nintendo chegou aos Estados Unidos em 1980, certamente é porque tinha a intenção de explorar o mercado americano. Para isso, lançou um arcade para concorrer com as máquinas da Atari, que faziam muito sucesso: trata-se do jogo Radar Scope. O game fez sucesso no Japão, mas não nos Estados Unidos.

Ao se dar conta disso, Hiroshi Yamauchi não desanimou e, vendo que suas principais cabeças estavam ocupadas (entre elas, Gunpei Yokoi, que trabalhava no Game & Watch), acabou convidando Shigeru Miyamoto para aproveitar a plataforma do Radar Scope e lançar algo mais atraente.

Miyamoto topou o desafio e, logo depois, criou um jogo chamado Donkey Kong. Lançado em 1981, a história deste game é simples: um gorila havia sequestrado uma moça e cabia ao seu (suposto) namorado salvá-la, um “homenzinho” bigodudo chamado Jumpman. Há rumores de que esta história foi baseada no desenho de Popeye, cuja licença de uso de imagem a Nintendo tentou obter, mas não conseguiu. Como consequência, Brutus foi substituído pelo gorila, Popeye pelo Jumpman e Olívia Palito por uma donzela desconhecida.

No início, o jogo foi visto com certa desconfiança pela equipe americana da Nintendo, mas não demorou para fazer bastante sucesso. Como consequência, Shigeru Miyamoto se consagrou e não parou mais de criar jogos. Seu maior sucesso foi Super Mario Bros, lançado em 1985, cujo protagonista é o Jumpman de Donkey Kong, que acabou rebatizado como Mario, personagem que virou símbolo da Nintendo e também uma de suas principais franquias.

Miyamoto trabalha até hoje no desenvolvimento de jogos e, além de Mario e Donkey Kong, também criou a série The Legend of Zelda, outra grande franquia da Nintendo. Além disso, também teve - e tem - participação em outras franquias, como Star Fox, Earthbound, Metroid, Nintendogs e Wii Sports.


Lista de consoles

Agora que você já sabe parte da história da Nintendo, que tal conhecer os seus consoles? É isso que você verá a seguir. Note que são citados os videogames lançados até a data de atualização deste texto no InfoWester.

Color TV-Game

Este aparelho surgiu em 1977, e sua primeira versão continha variações de um jogo no estilo de Pong (o Pong simulava um jogo de tênis de mesa). O jogador utilizava um controle cujos principais botões eram giratórios. O Color TV-Game teve outras versões. Uma delas, denominada Color TV-Game Block Kuzushi, contou com a participação de Shigeru Miyamoto.

Game & Watch

Este é um console portátil, que teve aproximadamente 60 versões. Isso porque cada versão continha um jogo diferente e todos eram relacionados em categorias como Silver, Gold, Wide Screen e Multi Screen. Estas categorias eram baseadas no aspecto físico de cada Game & Watch. Por exemplo, a categoria Multi Screen (múltiplas telas) era composta por consoles com duas telas.

Game & Watch Donkey Kong
Game & Watch Donkey Kong - Imagem por Wikipedia

NES (Nintendo Entertainment System)

O NES, chamado de Famicom no Japão e carinhosamente apelidado de "Nintendinho" no Brasil, é um console de 8 bits e foi lançado em 1983. Foi o primeiro dispositivo a aceitar cartuchos de variados jogos. Certamente, representa um marco para a história da Nintendo, pois foi este videogame que deu "vida" a franquias como Metroid e Zelda. Também foi para este console que surgiu o inesquecível Super Mario Bros. O NES fez muito sucesso: somente parou de ser fabricado em 1996 e, durante este tempo, vendeu mais de 60 milhões de unidades.

NES
NES - Imagem por Wikipedia

Game Boy

Idealizado por Gunpei Yokoi, o Game Boy é outra grande inovação da Nintendo. Lançado em 1989, esse console portátil tem tela LCD monocromática e processador de 8 bits. Assim como o NES, aceita jogos variados por cartuchos. O Game Boy também permite disputar partidas com até quatro jogadores por meio de um cabo especial. Seu jogo de maior sucesso foi o clássico Tetris. O Game Boy foi comercializado ainda em outtras versões, mostradas adiante. A primeira (foto abaixo) ficou conhecida como Game Boy Classic.

Game Boy Classic
Game Boy Classic

SNES (Super Nintendo Entertainment System)

O SNES (Super Famicom no Japão) é o sucessor do NES e também fez grande sucesso. Equipado com processador de 16 bits, foi lançado em 1990 e disputou ferozmente o mercado de games com o rival Sega Mega Drive. Também contou com jogos marcantes, como Super Mario World e a série Donkey Kong Country (que continha uma excelente estrutura gráfica). O SNES vendeu pouco mais de 57 milhões de unidades e recebeu lançamentos regulares de jogos até 1997.

Super Nintendo
Super Nintendo

Virtual Boy

Se tem uma coisa que será capaz de deixar a direção da Nintendo constrangida por toda a eternidade é o Virtual Boy, o maior fracasso da empresa. O console foi apresentado em 1994 e tinha como novidade a capacidade de representar imagens em 3D, ainda que monocromáticas. Em vez de projetar as imagens em uma tela de TV, o Virtual Boy o fazia em um dispositivo que lembrava vagamente óculos. Por causa disso, a Nintendo o incluiu em sua linha de portáteis. Mas, o console tinha vários problemas, entre eles: causava dor de cabeça ao jogador, necessitava de uma base para ser apoiado, podia ser danificado facilmente, o fundo das imagens era escuro e havia poucos jogos disponíveis (poucos desenvolvedores quiseram apostar no Virtual Boy). Por incrível que pareça, o Virtual Boy foi projetado por Gunpei Yokoi (pois é, até os gênios erram). Rumores dizem que ele foi demitido pela Nintendo por causa deste fracasso. Em 1997, meses depois de o Virtual Boy ter sido colocado no mercado, Gunpei faleceu em um acidente automobilístico, como já explicado.

Virtual Boy
Virtual Boy - Imagem por Wikipedia

Nintendo 64

Lançado em 1996, o Nintendo 64 foi o sucessor do SNES. O número em seu nome faz alusão ao fato de este console ser de 64 bits. Seus principais diferenciais são: processamento gráfico 3D, capacidade de conexão de até quatro joysticks, botão analógico neste último, além de um botão posicionado como gatilho na base inferior do controle. O Nintendo 64 também deu vida a jogos marcantes, como The Legend of Zelda: Ocarina of Time, GoldenEye 007 e, claro, Super Mario 64.

Apesar de não ter sido um fracasso, o Nintendo 64 não vendeu tão bem quanto o NES e o SNES, principalmente por ter tido menos jogos. Na época de seu lançamento, as rivais Sega e Sony já trabalhavam com consoles que rodavam jogos por meio de CDs, todavia, a Nintendo preferiu continuar com cartuchos. Como os CDs são mais baratos e de fabricação mais simples, muitos desenvolvedores de games deram prioridade aos videogames da concorrência. O Nintendo 64 vendeu cerca de 30 milhões de unidades no mundo todo.

Nintendo 64
O Nintendo 64

Game Boy Pocket e Game Boy Light

A Nintendo lançou em 1996 uma versão melhorada do Game Boy Classic. O Game Boy Pocket é mais fino que o primeiro, consome menos energia (exigindo apenas duas pilhas AAA contra 4 pilhas AA de seu antecessor) e tem uma tela mais nítida. Em 1997, a Nintendo lançou o Game Boy Light, portátil que possui características semelhantes às da versão Pocket, com o diferencial de ter uma tela com iluminação própria. O Game Boy Light foi vendido somente no Japão.

Game Boy Color

O Game Boy Color (GBC) foi lançado em 1998 e, como o próprio nome indica, sua principal característica é rodar jogos em cores. Além disso, o GBC também conta com hardware mais poderoso e áudio melhor quando comparado aos seus antecessores. O GBC também é compatível com os jogos do Game Boy Classic, mas com o diferencial de colocar cores neles. O console teve cerca de 230 jogos exclusivos e vendeu mais de 50 milhões de unidades.

Game Boy Color
Game Boy Color - Imagem por Wikipedia

GameCube

Em 2001, chegou ao mercado o GameCube, sucessor do Nintendo 64. Em formato de cubo (daí o nome), este foi o primeiro console da Nintendo a trabalhar com mídia óptica - utiliza um tipo de mini-DVD baseado em uma tecnologia da Matsushita (Panasonic). Outra característica importante deste console é a sua capacidade gráfica, muito superior ao do Nintendo 64. Seu joystick também conta com inovações: tem desenho feito para se adaptar facilmente às mãos e conta com um recurso vibratório, deixando os jogos mais interessantes.

A Nintendo também lançou uma versão especial do controle que funciona por conexão wireless, isto é, sem fio. Apesar de ser um bom console, o GameCube não conseguiu desbancar seu principal concorrente, o PlayStation 2, da Sony. O dispositivo deixou de ser fabricado no início de 2007 e vendeu pouco mais de 21 milhões de unidades.

GameCube
GameCube - Imagem por Wikipedia

Game Boy Advance

O Game Boy Advance (GBA) chegou ao mercado em 2001 e é a evolução da linha Game Boy. Este portátil oferece várias novidades em relação às versões anteriores: formato físico mais moderno, tela maior, capacidade de exibir mais de 32 mil cores, processador de 32 bits, áudio melhorado e cartuchos menores. o GBA foi um verdadeiro sucesso: vendeu mais de 75 milhões de unidades.

Game Boy Advance
Game Boy Advance - Imagem por Wikipedia

Game Boy Advance SP

Esta é uma versão melhorada do GBA e chegou ao mercado em 2003. O ‘SP’ aparentemente vem da palavra inglesa "special", mas não se tem certeza disso. O principal diferencial do GBA SP está em seu formato físico: o aparelho é dobrável, no mesmo estilo de um laptop, característica que facilita seu transporte e ajuda a proteger a tela. Falando na tela, esta também recebeu melhorias no que se refere à iluminação. Outra novidade interessante do GBA SP é o fato de o portátil utilizar uma bateria recarregável em vez de pilhas.

O GBA SP também teve um ponto negativo: por limitações técnicas, a Nintendo eliminou a entrada de fones de ouvido, o que irritou muitos usuários, apesar de a empresa ter lançado um adaptador que permite o uso deste acessório. Mesmo assim, o GBA SP vendeu bem: foram quase 40 milhões de unidades no mundo inteiro.

Game Boy Advance SP
Game Boy Advance SP - Imagem por Wikipedia

Nintendo DS

O Nintendo DS (NDS) é considerado por muitos um dos melhores produtos da Nintendo. Lançado em 2004, o NDS (o DS vem de Dual Screen ou de Developers' System) é caracterizado por ter duas telas - sendo a inferior sensível ao toque (o portátil é acompanhado de uma caneta Stylus para uso nesta tela) -, é dobrável (assim como o GBA SP), possui microfone, é alimentado por bateria recarregável e tem capacidade gráfica similar ao Nintendo 64. O Nintendo DS também se destaca por ter conexão Wi-Fi, possibilitando disputas em rede. Esta característica também permite navegar na internet pelo console, tanto que a Opera Software lançou uma versão de seu navegador para o Nintendo DS.

Outra característica importante a ser citada do NDS é a sua capacidade de executar jogos do GBA. Para isso, basta utilizar a entrada disponível na parte frontal do portátil. O Nintendo DS vendeu mais de 50 milhões de unidades.

Nintendo DS
O Nintendo DS

Game Boy micro

O Game Boy micro (a palavra 'micro' é escrita somente com letras minúsculas mesmo) foi lançado em 2005 e é a segunda versão melhorada do GBA. Suas principais características são: tamanho reduzido (é o menor videogame da Nintendo), leveza (pesa cerca de 80 gramas), tela melhorada, frente trocável (isto é, que aceita várias capas) e suporte nativo a fones de ouvido (recurso inexistente no GBA SP). Ao contrário dos outros GBAs, o micro não é compatível com cartuchos para o Game Boy Classic e para o Game Boy Color devido ao seu tamanho reduzido. O Game Boy micro vendeu cerca de 2,5 milhões de unidades.

Game Boy micro
Game Boy micro - Imagem por Wikipedia

Nintendo DS Lite

Para dar sequência ao sucesso do Nintendo DS, a Nintendo resolveu lançar uma nova versão do portátil em 2006: o Nintendo DS Lite. Em relação à versão anterior, que ficou conhecida como Nintendo DS Classic, o NDS Lite tem tela mais nítida (jogar o NDS Classic em ambientes muito iluminados é um pouco ruim), tamanho reduzido (mas as telas continuam do mesmo tamanho) e formato físico "clean", sendo também um sucesso de vendas.

Nintendo DS Lite
Nintendo DS Lite - Imagem por Wikipedia

Nintendo Wii

O Nintendo Wii também representa um marco para a Nintendo. Lançado no final de 2006, o console é o sucessor do GameCube, sendo inclusive capaz de rodar jogos deste. O que faz deste videogame tão marcante é seu joystick revolucionário: o Wii Remote (também conhecido como Wiimote). Em formato de controle remoto, este joystick não tem fio e sua jogabilidade está nos movimentos do usuário, isto é, o jogador precisa mexer o braço para jogar, simulando os gestos de uma luta de espadas ou de uma disputa de tênis, por exemplo. O Wiimote também é capaz de vibrar, conta uma saída de áudio (gerando o som de um choque de espadas, por exemplo) e pode receber acessórios extras.

O Wii roda jogos por meio de um tipo de DVD, mas também é capaz de executar games dos seus antecessores a partir de um serviço on-line onde o jogador pode baixá-los. O videogame conta com 512 MB de memória interna, sendo que esta capacidade pode ser expandida por meio de cartões SD. Por levar a sério o fator diversão, o Nintendo Wii foi muito bem recebido, até mesmo por pessoas não habituadas aos jogos eletrônicos, motivo pelo qual tem um histórico de vendas tão bom quanto o NES e o SNES, por exemplo.

Em agosto de 2011, a Nintendo começou a vender uma versão do Wii com dimensões reduzidas, no entanto, não houve mudanças no hardware do equipamento. Em dezembro de 2012, praticamente no ciclo final de vida do console, a Nintendo lançou no Canadá uma versão denominada Wii Mini que se caracteriza por ser ainda mais compacta, mas incapaz de acessar recursos na internet.

Nintendo Wii
Nintendo Wii - Imagem por Wikipedia

Nintendo DSi

Anunciado em outubro de 2008, este console é tido como uma evolução do Nintendo DS. Possui várias novidades em relação ao modelo anterior, o Nintendo DS Lite: "stylus" (caneta) mais longa, telas 17% maior, duas câmeras (sendo uma com 3 megapixels na parte de trás da tela superior e outra na dobradiça do console com 0,3 megapixel), saídas de som mais potentes e entrada para cartão de memória SD. O Nintendo DSi não possui slot para cartuchos de jogos do GBA.

Nintendo DSi
Nintendo DSi - Imagem por Nintendo

Nintendo 3DS

Lançado oficialmente no início de 2011, o Nintendo 3DS segue a linha do Nintendo DS, possuindo formato dobrável e duas telas. No entanto, possui um grande diferencial: é capaz de exibir imagens 3D sem a necessidade de óculos especiais. O portátil também chama a atenção por seus recursos adicionais. Para começar, conta com 3 câmeras digitais, sendo que uma fica na parte da frente e serve para que o usuário possa capturar sua própria imagem. As outras duas ficam na parte traseira do console, lado a lado, e têm a função de permitir a geração de imagens 3D.

O dispositivo também possui entrada para cartões SD, acelerômetro, microfone, entre outros. No início, o Nintendo 3DS não foi bem recebido. Poucos meses depois do lançamento, a Nintendo se viu obrigada a diminuir o seu preço para aumentar as vendas do console. Saiba mais sobre o Nintendo 3DS aqui.

Nintendo 3DS
Nintendo 3DS - Imagem por Nintendo

Em junho de 2012, em vez de seguir com a "tradição" de lançar versões reduzidas de seus consoles, a Nintendo fez o contrário: anunciou um modelo maior do portátil sob o nome de 3DS XL (3DS LL no Japão). O hardware é praticamente o mesmo, com exceção para a bateria, que passou a ter cerca de 6 horas de autonomia (contra 3 horas do 3DS "normal"), e das telas, que ficaram ligeiramente maiores.

Nintendo Wii U

Em novembro de 2012, a Nintendo lançou oficialmente o sucessor do Wii: o Nintendo Wii U. O modelo é dividido em duas versões: Basic, com 8 GB de capacidade de armazenamento, e Premium, com 32 GB. Seu hardware é, segundo a Nintendo, cerca de 20 vezes mais "poderoso" que o Wii, contando com características como 2 GB de memória RAM e GPU AMD Radeon capaz de gerar imagens em alta definição (1080p). A mídia dos jogos, por sua vez, é um disco proprietário com capacidade de 25 GB, similar ao Blu-ray.

Nintendo Wii U
Nintendo Wii U - Imagem por Nintendo

Assim como acontece com o seu antecessor, o item que mais chama a atenção no Wii U é o seu joystick. Denominado Wii U GamePad, o dispositivo conta com uma tela sensível ao toque de 6,2 polegadas, câmera frontal, saídas de áudio, microfone, conectividade NFC e outros recursos. Estas características o fazem ser bastante parecido com um videogame portátil.

Wii U GamePad
Wii U GamePad - Imagem por Nintendo

O console também conta com um joystick "tradicional" chamado Wii U Pro Controller, é compatível com jogos e acessórios do Nintendo Wii (pelo menos a maioria deles) e, assim como este, pode acessar a internet para obtenção de games e outros conteúdos para entretenimento.

Wii U Pro Controller
Wii U Pro Controller - Imagem por Nintendo


Acessórios

Praticamente todos os consoles da Nintendo receberam acessórios para acréscimo de funcionalidades. Eis uma lista dos mais interessantes (e curiosos):

Super Game Boy: este é um adaptador que permite jogar games do Game Boy no Super Nintendo. Além de poder aproveitar a TV, o jogador também contava com a possibilidade de visualizar os jogos com cores (lembrando, os jogos do Game Boy são monocromáticos). O Super Game Boy foi bem sucedido em vendas;

Game Boy Camera & Printer: este curioso kit é composto por um adaptador de câmera fotográfica e por uma pequena impressora. Com a câmera, que é instalada na entrada de cartuchos do Game Boy, o usuário pode tirar fotos, visualizá-las e manipulá-las. Com a Printer, ele pode imprimir estas imagens. Estas, no entanto, só podem ser geradas em preto e branco, devido às limitações de cores do portátil;

Game Boy Printer
Game Boy Printer - Imagem por Amazon

Famicom Network System: por incrível que pareça, o NES teve um acessório que permitia conectá-lo à internet para o jogador acessar alguns serviços, o Famicom Network System. O aparelho só foi vendido no mercado japonês;

Famicom Disk System: este é outro acessório vendido apenas no Japão. O Famicom Disk System permitia acesso a jogos em disquetes especiais em vez de cartuchos, diminuindo consideravelmente o preço dos games para os usuários. Embora tenha vendido relativamente bem, este aparelho não foi bem recebido pelos desenvolvedores de jogos, principalmente porque a Nintendo cobrava uma porcentagem de licenciamento por cada game;

Super NES Mouse: o Super Nintendo teve vários acessórios, um deles é um mouse exclusivo conectado na entrada de um joystick. O dispositivo podia ser usado em alguns jogos e ficou conhecido no game Mario Paint, onde era obrigatório;

Rumble Pak: este é um acessório para o Nintendo 64 que foi muito bem recebido. Trata-se de um dispositivo conectado na parte inferior do joystick que faz com que este vibre de acordo com os acontecimentos do jogo. Como exemplo, no jogo GoldenEye 007, o Rumble Pak faz o controle vibrar cada vez que o personagem dispara um tiro ou é baleado. A Nintendo também lançou uma versão deste dispositivo para o Nintendo DS;

Game Boy Player: este é um acessório que permite executar jogos para o Game Boy, para o Game Boy Color e para o Game Boy Advance no GameCube;

DK Bongos: este é um acessório muito divertido: ele instala um aparelho que simula bongôs, um tipo de instrumento de percussão. É utilizado no jogo Donkey Konga e em outros lançados no Japão. O DK Bongos está disponível para o Nintendo GameCube e, aparentemente, funciona também no Nintendo Wii;

DK Bongos
DK Bongos - Imagem por Wikipedia

Play-Yan: este é um acessório que permite ao Game Boy Advance executar áudio em MP3 e vídeos em MPEG-4. Os arquivos são armazenados em cartões SD. O aparelho também é compatível com o Nintendo DS, embora este também conte com um dispositivo similar e exclusivo;

Wii Balance Board: o fato de o Wii interagir com movimentos corporais e, portanto, incentivar atividades físicas, levou à criação deste dispositivo. Trata-se de uma balança que permite ao usuário não só descobrir o seu peso como também realizar, de acordo com o jogo, danças, simulação de skate, exercícios físicos e outros. Isso é possível porque, além de balança, o Wii Balance Board conta também com sensores que avaliam o equilíbrio.

Wii Balance Board
Wii Balance Board - Imagem por Nintendo

Curiosidades

Tendo tanto tempo de vida, produtos inovadores e muitos “gênios”, é de se esperar coisas curiosas a respeito da Nintendo. Eis algumas:

  • O nome Nintendo tem significado equivalente a "confie no que vem do céu";
  • A Nintendo também é conhecida como Big N;
  • Em parceria com uma empresa local, a Nintendo lançou em 2003 um console em formato de joystick de nome iQue Player, na China. Este videogame é baseado no Nintendo 64 e, portanto, roda jogos deste console;
  • Na Coreia do Sul, o NES recebeu o nome de Hyundai Cowboy, pois na época havia uma lei que proibia a comercialização de produtos japoneses no país;
  • Gunpei Yokoi não era bom apenas em projetar consoles. Ele também foi responsável por alguns jogos, entre eles, a franquia Metroid;
  • A Nintendo lançou uma versão especial do SNES em 1997. A novidade tinha tamanho melhor em relação ao console original e também tinha design melhorado;
  • O PlayStation, da Sony, o principal rival da Nintendo, era originalmente um acessório que daria capacidade ao SNES de ler CDs. Todavia, a Nintendo acabou se desentendendo com a Sony e passou à Philips a tarefa de ajudá-la no acessório. A Sony, por sua vez, decidiu lançar o que tinha em mãos como um console e, para o "desespero" da Nintendo, a ideia deu mais do que certo;
  • A Nintendo havia anunciado o desenvolvimento de um acessório para o Nintendo 64 chamado 64 Disk Drive. O aparelho prometia jogos em discos em vez de cartuchos, mas uma série de problemas fez a Nintendo desistir dele, ou quase: o 64 Disk Drive chegou a ser lançado no Japão, mas em poucas unidades;
  • O Nintendo DS se parece muito com o Game & Watch de Donkey Kong, lançado em 1982;
  • Na lista dos 500 homens mais ricos do mundo feita pela Forbes, Hiroshi Yamauchi ocupou a posição de número 226 em março de 2007. Nessa época, sua fortuna foi avaliada em 3,9 bilhões de dólares.

Finalizando

LIVRO SUGERIDO:

Via Shopping UOL

MarioA história da Nintendo se confunde com a própria história dos jogos eletrônicos. Embora tenha cometido alguns erros em sua história, a "Big N" sempre foi uma empresa ousada, característica que certamente determinou seu sucesso e a fez sair ilesa até mesmo de crises que já atingiram o setor de games.

Uma das políticas da Nintendo é a de combinar diversão e entretenimento com acessibilidade, por isso, muitos de seus consoles têm hardware mais modesto do que os videogames equivalentes dos concorrentes. Isso faz com que o preço desses equipamentos seja menor. A Nintendo combina essa característica com jogos muito bem feitos. O resultado não poderia ser outro: sucesso. Essa política foi aplicada, por exemplo, no NES, no SNES, na linha Game Boy, no Nintendo DS e no Nintendo Wii.

Em um ramo tão promissor e, ao mesmo tempo, tão traiçoeiro quanto é o de games, não basta apenas se adaptar às exigências do mercado, mas também fazer com que o mercado se adapte a novos conceitos. Para isso, é necessário criatividade, ousadia, inovação e uma boa dose de inteligência, características que a Nintendo provou ter de sobra. Resta esperar que a companhia se mantenha assim no futuro.

Serviram de base para este artigo, as seguintes páginas:

Escrito por - Escrito em 24_03_2007 - Atualizado em 06_01_2013