Grupo Repórteres Sem Fronteiras critica restrição de acesso à internet em Cuba

A organização mundial Repórteres sem Fronteiras (RSF) emitiu um manifesto em que critica Cuba por dificultar o acesso à internet por parte de sua população. Segundo a entidade, menos de 2% dos cubanos conseguem acessar a “grande rede” e, mesmo assim, de maneira controlada pelo governo.

De acordo com o grupo RSF, os poucos pontos de acesso disponíveis são extremamente vigiados. Assim, a população prefere acessar um serviço restrito oferecido pelo próprio governo, que inclui uma conta de e-mail, mas cujo custo é equivalente a 5,03 dólares por hora, valor inviável à grande maioria dos cubanos.

O governo de Cuba alega que as restrições são causadas pela pouca largura de banda disponível ao país, limitação existente graças ao embargo econômico imposto pelos EUA. A entidade RSF reconhece essa dificuldade, mas afirma que isso não justifica a rigorosa vigilância que as autoridades cubanas aplicam aos seus cidadãos quando estes acessam a internet.

É difícil de se imaginar que, hoje em dia, um país esteja quase que inteiramente sem os benefícios da internet. É uma realidade triste e complexa, mas que, infelizmente, está longe de acabar…

Referência: IBL News.

Emerson Alecrim





  • Ricardo Vasconcelos de Souza Melo

    Que absurdo! Se um povo não tem acesso à tecnologia por causa da pobreza é até de se entender, mas por causa de política é um abuso!