O megafechamento do MegaUpload

Talvez você não tenha percebido, mas a internet está passando por um momento marcante. Primeiro veio a onda de protestos contra os projetos de lei SOPA e PIPA. Um dia depois, por coincidência ou não, as autoridades resolvem dar uma demonstração de poder: nesta quinta-feira (19/01/2012), o FBI fechou o MegaUpload e outros sites associados, além de ter indiciado sete executivos da empresa.

MegaUpload

O negócio foi sério: as pessoas envolvidas são acusadas de formar uma organização criminosa internacional cuja principal atividade envolve pirataria, havendo também supostas práticas de lavagem de dinheiro, extorsão e outras ações ilegais. Isso tudo teria causado mais de meio bilhão de dólares de prejuízo a detentores de propriedade intelectual e cerca de 175 milhões de dólares de receita ao MegaUpload.

Não se trata de um simples fechamento de site, mas de uma bem elaborada ação policial coordenada pelo FBI que envolve autoridades de pelo menos oito países. Não por menos: Kim Dotcom (ou Kim Schmitz), fundador da empresa, foi preso na Nova Zelândia, onde mora (ou morava) confortavelmente; a partir da sede da empresa, em Hong Kong, o FBI conseguiu confiscar cerca de 50 milhões de dólares.

A operação toda poderia muito bem servir de roteiro para um filme de ação, mas com uma diferença perturbadora: o grande público não seria apenas expectador, mas também personagem da trama, já que o MegaUpload só se tornou referência na internet por conta de seus milhões de usuários em todas as partes do mundo. Neste ponto, a história toda ganha a sensibilidade de uma mina terrestre, já que muita gente pode interpretar a ação do FBI como um ataque à “cultura da rede”.

A reação não demorou: o assunto virou destaque no Twitter e o grupo Anonymous saiu de seu estado zen para fazer ataques DDoS aos sites do FBI e de entidades como RIAA e MPAA. Não que alguém aí morra de amores pelo MegaUpload. O problema é o temor de que este seja um passo importante para tornar a internet um ambiente totalmente controlado.

Sim, porque se os executivos indiciados enriqueceram ferindo direitos autorais ou lavando dinheiro, ninguém irá questionar a operação do FBI. Mas, por força das atuais circunstâncias (leia-se: SOPA e PIPA), há uma dificuldade tremenda para diferenciar uma ação de combate ao crime de uma tentativa de censura.

O fato é que o fechamento do MegaUpload abre precedentes que podem afetar os vários outros serviços do tipo, como RapidShare, FileServe e 4shared, afinal, todo mundo sabe que a grande maioria dos arquivos que circulam nestes sites é composta por conteúdo ilegal. Se pensarmos bem, veremos que demorou para algo do tipo acontecer.

Por outro lado, é ingenuidade acreditar que a desativação destes sites ou qualquer ação parecida será eficiente contra a pirataria. Alternativas serão criadas, vai ser um “toma lá, dá cá” constante. Se a indústria quiser mesmo lidar com essa questão, mais do que depender das autoridades, precisa dançar conforme a música, criando formas mais atraentes que os meios ilegais para vender conteúdo, do contrário, vai ser sempre a vilã.

Referências: CNET News, The Wall Street Journal.

Emerson Alecrim