Professores de escolas privadas de São Paulo querem remuneração por trabalho na internet

Imagem ilustrativa de tecladoProfessores de escolas privadas que atuam no Estado de São Paulo querem ser remunerados pelas atividades extras que realizam pela internet. Nessas instituições, é cada vez mais comuns o uso de redes sociais como orkut, Twitter e blogs por parte de professores para melhorar e estimular a aprendizagem dos alunos.

“Nós reconhecemos a importância da tecnologia e os professores têm feito das tripas coração para se adaptar a esta nova realidade. Porém, queremos ser remunerados para isso”, disse Silvia Barbara, diretora da Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp).

De acordo com Silvia, os professores não veem problemas no uso da internet para atividades de ensino, especialmente porque os alunos de hoje já nascem na “era digital”. No entanto, são os próprios professores que arcam com as despesas oriundas do computador e do acesso à internet.

Para muitos professores, no entanto, esse não é o único problema: a maior dificuldade está no tempo despendido para as tarefas virtuais, que inclusive dificultam a preparação de aulas, a correção de provas, entre outras atividades. “Isso [o uso da internet] não tem nada a ver com preparar aula, que é o que somos pagos a mais. Para os alunos, isso é importante, mas para os professores têm sido estressante”, disse uma professora.

Referência: Agência Brasil.