Pesquisa mostra que adolescentes brasileiras se sentem inseguras com a internet

Uma pesquisa feita pela ONG Plan Brasil e pela CPP Brasil (Parceria para a Proteção da Criança e do Adolescente) mostra que nada menos que 79% das adolescentes brasileiras se sentem inseguras ao acessar a internet. O levantamento envolveu entrevistas pela internet com mais de 400 mil jovens de todo o Brasil, além de questionários respondidos em algumas escolas públicas e privadas das cidades de São Paulo e Santo André.

O principal motivo para essa insegurança, de acordo com o estudo, é o desconhecimento das novas tecnologias. A maioria dos pais acaba agindo mais por meio de punições do que por orientações, justamente por não saber lidar com o atual cenário digital. As adolescentes, por sua vez, estão muito mais familiarizadas com os recursos tecnológicos: 27% disseram estar conectadas constantemente e 60% declararam conhecer os perigos da internet. Por outro lado, apenas um terço delas afirmou saber a quem recorrer em situações de perigo on-line.

Dados do levantamento:

  • 84% das meninas possuem celular;
  • 60% disseram saber sobre os perigos on-line;
  • 82% já utilizaram a Internet e 27% disseram estar sempre on-line;
  • Quanto mais conhecimento e consciência as meninas têm sobre as TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação), maior o grau de segurança que sentirão on-line;
  • 79% das meninas disseram que não se sentiam seguras on-line;
  • Quase metades das meninas que responderam à pesquisa afirmaram que seus pais sabem o que elas acessam on-line;
  • Somente um terço das meninas sabe como relatar um perigo quando estão on-line;
  • Quase 50% das meninas disseram que gostariam de encontrar pessoalmente alguém que tenham conhecido on-line.

A situação se torna mais crítica entre adolescentes de famílias de baixa renda, já que, na maior parte das vezes, elas acessam a internet a partir de lan houses, onde o controle sobre o que é acessado é baixo. Nos poucos casos onde as jovens podem ter acesso à internet em casa, o desconhecimento tecnológico dos pais é ainda maior, agravando a situação.

É claro que isso acontece também entre os meninos. No entanto, esse cenário é mais crítico para as meninas, uma vez que elas são, tradicionalmente, vítimas mais frequentes de exploração sexual ou outros tipos de abuso.

Mais informações no site da Plan Brasil.

Referência: Agência Brasil.