Para dobrar número de antenas, operadoras de telefonia celular consideram até disfarçá-las

Imagem ilustrativa de celularO Brasil possui atualmente cerca de 50 mil antenas de telefonia celular (Estações Rádio Base) espalhadas por todo o país, mas este número precisa dobrar nos próximos cinco anos para dar conta da necessidade de expansão das redes. O problema é que o aumento considerável na quantidade de antenas pode causar “poluição visual” em determinados lugares, razão pela qual as operadoras consideram inclusive disfarçá-las.

De acordo com Eduardo Levy, diretor executivo da SINDITELEBRASIL (Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia Fixa e de Serviço Móvel Celular e Pessoal), as empresas poderão, por exemplo, pintar a antena com a mesma cor utilizada na fachada do prédio onde está instalada ou colocá-la no meio de coqueiros e deixá-la parecida com este tipo de árvore (!!!).

No entanto, o principal problema que as operadoras enfrentam em relação à ampliação de suas redes não se refere diretamente à questão da poluição visual, mas à falta de padronização de leis para a instalação de antenas. Atualmente, esta questão é tratada pelos municípios, o que dificulta a ampliação das redes, já que cada lugar possui regras diferentes.

O governo reconhece o problema, tanto que o Ministério das Comunicações já trabalha em um projeto de lei para estabelecer regras para a infraestrutura da telefonia válidas para todo o país. Neste sentido, a SINDITELEBRASIL pretende apresentar sugestões para o projeto em breve.

A expansão das redes de telefonia é uma necessidade crescente, não só para aumentar a cobertura, mas principalmente para dar conta de novos acessos. O Brasil possui, atualmente, quase 250 milhões de linhas móveis ativas e este número só tende a aumentar, especialmente com a chegada dos serviços 4G ao país.

Referência: Agência Brasil.

2 comentários em “Para dobrar número de antenas, operadoras de telefonia celular consideram até disfarçá-las”

  1. Já vi diversas imagens de antenas ( ERB’s) disfarçadas que ficaram ainda piores do que quando eram apenas antenas.
    Escrevi um artigo no meu blog sobre as antenas e a poluição eletromagnética, mas levei em consideração as demais formas de poluição.
    O compartilhamento das antenas já ajuda bastante. Agora, a questão é: encontrar locais mais seguros para novas instalações, porque, as que já estão instaladas não costumam ser mudadas, já que geram ainda mais problemas com relação às estruturas.

Os comentários estão fechados.