Microsoft marca data de despedida do Messenger: 15 de março

O comunicador instantâneo Windows Live Messenger, até hoje conhecido como MSN Messenger ou simplesmente MSN, já está com os dias contados. Nesta semana, a Microsoft começou a enviar a alguns de seus usuários um comunicado informando que a ferramenta será desativada no dia 15 de março de 2013. A companhia havia confirmado em novembro do ano passado a sua intenção de “aposentar” o serviço.

A Microsoft tem bons motivos para isso, em especial, o fato de o Messenger ter perdido espaço para o chat do Facebook, que apesar de mais limitado, se mostra bastante eficiente pela quantidade de pessoas que utilizam a rede social. Mas isso não quer dizer que a empresa assumiu a derrota: a ideia é a de que as pessoas passem a utilizar o Skype, serviço popular e que, como você provavelmente sabe, também pertence à Microsoft.

Integrando o Skype com o Messenger – Imagem por Skype

Integrando o Skype com o Messenger – Imagem por Skype

O Skype é uma aposta acertada porque gera receita de maneira consistente, afinal, trata-se de um dos serviços de voz sobre IP mais populares do mundo, contando com recursos pagos, mas ainda assim mais interessantes que os serviços de telefonia tradicionais. E ainda tem a vantagem de seu chat ser integrado às redes do Messenger e do Facebook.

Para usufruir desta integração, tudo o que o usuário precisa fazer é instalar a versão atual do Skype e fazer login com a sua conta Microsoft Account (antiga Live ID, a mesma usada no comunicador instantâneo). Após esta etapa, a pessoa poderá escolher contatos de quais redes visualizar ou ativar todos de uma vez, como mostra a imagem abaixo:

Contatos do Messenger, Skype e Facebook integrados – Imagem original por Skype

Contatos do Messenger, Skype e Facebook integrados – Imagem original por Skype

Após o dia 15 de março, o Messenger será coisa do passado, exceto na China, já que neste país a comunicação com os serviços do Skype é controlada por uma empresa local chamada TOM, inviabilizando a integração.

Referência: The Next Web.