Lula e Vladimir Putin manifestam apoio à WikiLeaks – Estados Unidos respondem

O presidente Lula e o primeiro ministro russo Vladimir Putin manifestaram hoje seu apoio à causa da WikiLeaks, um site comandado pelo australiano Julian Assange que disponibiliza milhares de documentos confidenciais – e, muitas vezes, com temáticas delicadas – de governos e organizações.

Julian Assange foi preso nesta semana em Londres sob a acusação de crimes sexuais. No entanto, muitos acreditam que esse acontecimento nada mais é do que uma manobra para “sufocar” as atividades da WikiLeaks.

Embora não se possa dizer que este é o pensamento de Lula, o presidente fez na manhã de hoje (09/12/2010) uma declaração de apoio a Assange, criticando a imprensa por não defendê-lo e também por não protestar contra atitudes contrárias à liberdade de expressão: “O rapaz foi preso e eu não estou vendo nenhum protesto contra a [o cerceamento à] liberdade de expressão. É engraçado, não tem nada”, afirmou o presidente, o primeiro chefe de estado a se posicionar a favor da WikiLeaks.

Cerca de duas horas depois do pronunciamento de Lula, foi a vez do primeiro ministro russo Vladimir Putin se manifestar: “se temos democracia, tem que ser de maneira completa. Por que Assange foi detido? Isso é democracia?”. Putin completou: “enquanto um fala, o outro escuta. Então eu gostaria de passar a bola aos nossos amigos americanos”.

O governo dos Estados Unidos não demorou a responder. Por meio do porta-voz Charles Luoma-Overstreet, declarou que a prisão de Julian Assange nada tem a ver com a WikiLeaks, lembrando novamente das acusações de crimes sexuais por parte do fundador do projeto.

Referências: Blog do Planalto, BusinessWeek, AFP.