Com 300 milhões de usuários, navegadores Opera passarão a usar motor WebKit

OperaNesta quarta-feira (13/02/2013), a Opera Software anunciou ter alcançado a marca de 300 milhões de usuários nos navegadores de internet que levam o seu nome. Teria sido meramente uma notícia comemorativa se não fosse um detalhe: na nota, a empresa também explicou que, em breve, passará a usar o WebKit em seus softwares, o mesmo “motor” que é utilizado para renderizar páginas dos navegadores Chrome e Safari.

De acordo com a empresa, a mudança acontecerá de maneira gradativa e afetará tanto as versões para desktop quando as edições para dispositivos móveis. Já havia a desconfiança de que a Opera Software estava prestes a fazer isso quando a companhia anunciou, em janeiro deste ano, uma variação do Opera para Android e iOS baseado justamente no WebKit.

Não está claro o que levou a Opera Software a tomar esta decisão depois de dedicar 18 anos no desenvolvimento de praticamente todos os aspectos de seus navegadores. É possível que, no entendimento da empresa, não valha mais a pena empreender tantos esforços nestes produtos – 300 milhões de usuários é um número respeitável, mas nem de longe tão expressivo quanto as fatias de mercados dos concorrentes Chrome, Firefox e Internet Explorer.

O WebKit tem a vantagem de ser um software atual – suporta várias tecnologias recentes, como HTML5 –, bem documentado e open source, características que facilitam enormemente a sua adoção. Mas a companhia sabe que será duramente criticada se apenas “tirar proveito” do trabalho alheio, razão pela qual prometeu também contribuir com o projeto.

Além do WebKit, os navegadores Opera contarão também com o V8, motor para execução de código em JavaScript criado pelo Google e, consequentemente, implementado no Chrome. A Opera Software ressaltou ainda que está desenvolvendo uma ferramenta que permitirá a conversão das extensões (add-ons) atuais para versões compatíveis com as alterações.