Atari entra com pedido de “concordata” nos Estados Unidos

AtariNos idos de 1970 e 1980, a Atari fez um estrondoso sucesso no segmento de games. Mas a empresa não conseguiu acompanhar as mudanças no mercado de entretenimento eletrônico e, até hoje, luta para continuar ativa. O mais recente movimento neste sentido foi dado nesta segunda-feira (21/01/2013): a companhia entrou com um pedido na Justiça dos Estados Unidos para evitar o seu fechamento.

Mais precisamente, a Atari recorreu às diretrizes que são conhecidas no país norte-americano como Chapter 11 (Capítulo 11), que foram criadas para ajudar a recuperar empresas em situação financeira delicada, protegendo-as temporariamente de credores e ações judiciais mediante o cumprimento de determinadas condições. No Brasil, este tipo de processo, outrora tido como “concordata”, é conhecido atualmente como “recuperação judicial”.

De acordo com o comunicado divulgado pela Atari, o plano da companhia consiste em tentar se desvencilhar do braço francês do grupo, a Infogrames, que a adquiriu em 2001, mas que há tempos está com suas operações comprometidas. A partir daí, a parte norte-americana tentará se focar em títulos para dispositivos móveis, jogos on-line e licenciamento de marcas.

Para isso, no pedido de recuperação, a empresa solicitou autorização para receber 5,25 milhões de dólares do fundo financeiro Tenor Capital Management e afirma esperar vender a maior parte de seus ativos em até 120 dias, incluindo neste pacote direitos sobre marcas e títulos consagrados, como Pong e Asteroids.

Se recuperando ou não, é inegável que a Atari, atualmente, é apenas uma “sombra” de seu passado. A companhia já passou por várias reestruturações severas e só consegue existir hoje graças ao prestígio que conquistou até meados de 1983. Desde então, a empresa não conseguiu fazer com que nenhum de seus novos produtos alcançasse sucesso equivalente ao que teve o console Atari 2600, por exemplo.

Referências: CNET News, TechCrunch.