Vírus em pendrive: contaminação cada vez mais freqüente

Vírus no PCQuem já teve algum tipo de prejuízo causado por vírus e outras pragas digitais, toma uma série de cuidados para evitar que seu computador seja contaminado novamente: atualiza o antivírus, usa firewall e anti-spyware, evita acessar sites suspeitos, não abre anexos de e-mails não solicitados, atualiza o sistema operacional, enfim. Se você não toma esses cuidados, é bom começar o quanto antes, a não ser que utilize Linux ou Mac, sistemas operacionais cujos cuidados com a segurança não precisam ser tão intensos assim. Se, no entanto, você executa esses procedimentos, meus parabéns, pois tenho certeza que você não hesitará em tomar mais um cuidado: proteger o seu pendrive.

Pendrives, cartões de memória e outros dispositivos semelhantes são maravilhosos. Você pode transportar centenas de megabytes de dados para lá e para cá em um aparelhinho leve, pequeno, barato e mais prático que disquetes e CDs regraváveis. Tantas vantagens não poderiam resultar em outra coisa: esses dispositivos de armazenamento são um verdadeiro sucesso! O problema é que, quando os desenvolvedores de vírus souberam disso, abriram aquele sorriso no rosto e botaram a “cachola para funcionar”…

Por conta disso, ter seu pendrive contaminado por um vírus está cada vez mais fácil, principalmente em escolas, faculdades e lan-houses, onde os computadores são utilizados por uma quantidade grande de pessoas, aumentando consideravelmente as chances de propagação de pragas digitais. Para piorar a situação, as pessoas que têm pendrives contaminados nesses lugares acabam conectando-os aos computadores de casa ou do trabalho. Daí você já consegue ver como essa história pode ir longe, não?

Já que é assim, é melhor tomar alguns cuidados para evitar que seu pendrive (ou qualquer outro dispositivo semelhante) sirva de meio de transporte para vírus. Em primeiro lugar, evite inserir seu pendrive em computadores amplamente utilizados. Se inevitável, antes de desconectá-lo da máquina, verifique se há arquivos que você desconhece gravados nele, especialmente executáveis e um arquivo de nome “autorun.inf”. Se os encontrar, apague-os imediatamente.

Além disso, faça uma verificação com um antivírus atualizado em seu pendrive regularmente. Como alguns desses vírus podem fazer com que os dados do pendrive fiquem indisponíveis, também faça backup (cópia de segurança) dos arquivos que armazenar no dispositivo. Também evite emprestar o seu pendrive, pois você nunca sabe onde outras pessoas o utilizarão.

Por fim, ponha em prática os procedimentos de segurança mencionados no primeiro parágrafo. Se desconfiar que o computador que você utiliza está contaminando pendrives, talvez executar apenas o antivírus não resolva. Neste caso, você pode contar com ferramentas apropriadas para esse tipo de verificação. Uma delas é o PenClean, ferramenta gratuita disponível neste link.

Como você deve ter percebido, todo cuidado é pouco, por isso, ficar atento a esses detalhes pode evitar grandes transtornos.

Emerson Alecrim