2012
10
out

Vem aí uma nova fase para a Microsoft?

Nesta terça-feira (09/10/2012), Steve Ballmer enviou uma carta aberta aos acionistas, funcionários e parceiros da Microsoft que trata principalmente do futuro da empresa. O documento é relativamente extenso e cheio de jargões corporativos, mas basicamente diz o seguinte: “estamos entrando em uma nova fase e precisamos da confiança de vocês”.

Steve Ballmer – Imagem por Wikipedia Steve Ballmer – Imagem por Wikipedia

O lançamento do Windows 8, que irá acontecer oficialmente no próximo dia 26, representa muito mais que a chegada de um novo software ao mercado – marca também uma mudança de paradigma na Microsoft. Não que a partir de agora tudo necessariamente irá girar em torno deste sistema operacional. O que acontece é que a novidade corresponde, até agora, à mudança mais brusca que a família Windows já teve e a Microsoft quer aproveitar esta ousadia para deixar claro que está mudando por completo.

Ok, talvez não por completo, mas está mudando. Para aplicações corporativas, por exemplo, vemos o novíssimo Windows Server 2012 bastante alinhado às necessidades atuais de virtualização e computação nas nuvens, por exemplo. Na internet, serviços com Outlook.com e SkyDrive estão surpreendentemente bons. Aguardamos, para o próximo ano, a chegada de um Office que nunca foi tão on-line.

O Windows 8 é impactante não só porque tem um conceito totalmente novo de interface e usabilidade, mas também porque contempla um mercado que, até então, a Microsoft nunca passou da porta: o de tablets. E aqui chegamos em um ponto destacado na carta de Ballmer: não basta mais desenvolver um sistema operacional para ser utilizado em equipamentos de terceiros; agora a empresa quer se focar em seus próprios dispositivos. O Xbox 360 deixa claro que a companhia pode ter sucesso com esta abordagem, mas a prova de fogo caberá mesmo aos tablets Surface.

Surface e sua "capa-teclado" – Imagem por Microsoft

Surface e sua “capa-teclado” – Imagem por Microsoft

O fato é que a Microsoft precisa mesmo adotar uma nova postura porque os desafios que a empresa tem pela frente nunca foram tão grandes: o Windows Phone, por exemplo, até agora não conseguiu quebrar a hegemonia das plataformas Android e iOS; além disso, o Windows 8, com a sua proposta ousada, pode ter que percorrer um longo caminho para conquistar ampla aceitação no mercado, especialmente para fazer com que o nome ‘Microsoft’, finalmente, tenha significado no mundo dos tablets.

De maneira geral, a empresa tem tomado decisões acertadas para preparar o terreno desta nova fase, por exemplo, com a padronização de seus sites, serviços on-line e softwares com a interface desenvolvida para o Windows 8. A disponibilização de versões de teste do sistema para que o mercado vá se acostumando e a melhor integração de alguns de seus produtos com plataformas concorrentes também evidenciam isso.

Tudo muito desafiador, tudo muito promissor, mas a Microsoft ainda precisa se atentar aos “velhos hábitos”. Por exemplo, os tablets Surface foram anunciados sem definição de data de lançamento e preços sugeridos, uma excelente maneira de jogar um balde de água fria na decisão de compra de quem se interessou pelo produto. O Bing, por sua vez, só funciona em sua totalidade em poucos países – por que tanta resistência em regionalizar produtos com grande potencial fora dos Estados Unidos?

De qualquer forma, os próximos capítulos serão interessantes. Se Ballmer & cia conseguirem fazer os planos da Microsoft vingarem, veremos a empresa impressionantemente forte diante da Apple e do Google. Eu torço para que isso aconteça, afinal, não há nada que faça tão bem ao mercado quanto concorrência acirrada.

Emerson Alecrim

 
comente

2012
04
set

Foco nas nuvens e em virtualização: Microsoft lança o Windows Server 2012

Windows Server 2012O mercado está se preparando para a chegada do Windows 8 – seu lançamento acontecerá em 26 de outubro –, mas é claro que a Microsoft não está trabalhando somente nesta plataforma. Prova disso é que, nesta terça-feira (04 de setembro de 2012), a empresa lançou oficialmente a nova versão de seu sistema operacional para servidores: o Windows Server 2012.

Interface

Eu estive no Microsoft Technology Center, em São Paulo – SP, para conhecer mais detalhes do novo sistema. Vi muitas novidades interessantes. A primeira coisa que chama a atenção é a interface, que lembra o padrão visual do Windows 8 ao igualmente dividir as informações em blocos organizados por linhas retas e cores sólidas. Não é por menos: a padronização de interfaces cria uma identidade visual marcante para a atual geração de sistemas e serviços da Microsoft, além de facilitar o trabalho do administrador, na visão da empresa.

Interface do Windows Server 2012 – Imagem por Wikipedia

Interface do Windows Server 2012 – Imagem por Wikipedia

Nuvem e virtualização

Obviamente, o que se destaca mesmo em um novo sistema operacional são os recursos oferecidos como diferenciais. De acordo com a Microsoft, o Windows Server 2012, cujo desenvolvimento levou cerca de dois anos, foi pensado desde o início para oferecer recursos variados a aplicações de computação nas nuvens, por exemplo. Ainda segundo a companhia, as experiências obtidas com a plataforma Windows Azure foram um dos pilares que ajudaram o novo sistema a ser abrangente em relação a este aspecto.

De maneira geral, percebe-se também que o Windows Server 2012 é bastante forte quando o assunto é virtualização – trata-se de uma clara tentativa da Microsoft de fazer frente aos grandes nomes do segmento, especialmente a MVware. Para quem não sabe, os sistemas operacionais da Microsoft contam com uma ferramenta de nome Hyper-V para lidar com o conceito. O Windows Server 2012 chega com uma versão nova do Hyper-V, a 3.0, que suporta, entre outros recursos, ambientes virtuais com até 64 processadores e 1 TB de memória RAM (sim, terabyte).

Outra característica do Hyper-V 3.0 que merece menção é a sua funcionalidade de “live migration”, ou seja, a capacidade de transferir máquinas virtuais de um servidor hospedeiro para outro (para manutenção no primeiro, por exemplo): agora, a ferramenta pode realizar múltiplas migrações ao mesmo tempo, sem interromper o funcionamento das máquinas durante o procedimento.

Neste sentido, o Hyper-V também é ágil com replicações: pode-se criar uma número ilimitado de réplicas de máquinas para que uma cópia seja utilizada em testes ou entre imediatamente em operação se o servidor original ficar indisponível por algum motivo.

Gerenciamento

De acordo com a Microsoft, o Windows Server 2012 também tem grande foco nas tarefas de gerenciamento. Por exemplo, pode-se fazer instalações em vários servidores ao mesmo tempo, trabalhar com dispositivos de armazenamento de variados tipos e tratá-los como se fossem uma única unidade lógica, utilizar um ambiente de linha de comandos para a realização de determinadas tarefas (funcionalidade muito requisitada por administradores), entre outros.

O trabalho de gerenciamento também conta com as facilidades do VDI (Virtualization Desktop Infrastructure), ferramenta que permite acesso ao desktop do usuário a partir de qualquer dispositivo autorizado, tarefa que pode ser executada inclusive por meio de tablets e smartphones.

Versões

O Windows Server 2012 chega ao mercado em quatro versões:

  • Windows Server 2012 Foundation: versão inicial, voltada para ambientes de TI que possuem até 15 usuários;
  • Windows Server 2012 Essentials: focada em pequenas empresas, que contam com até 25 usuários ou 50 dispositivos;
  • Windows Server 2012 Standard: versão apropriada para ambientes mais exigentes, mas com um nível não muito elevado de virtualização – possui duas instâncias para máquinas virtuais, com custo adicional para a inclusão de outras;
  • Windows Server 2012 Datacenter: criada para ambientes ainda mais amplos, que lidam com aplicações altamente virtualizadas, possuindo para isso quantidade ilimitada de instâncias para máquinas virtuais.

É válido frisar que, no que se refere aos requisitos mínimos de hardware para rodar o Windows Server 2012, praticamente não há alteração em relação ao que é exigido na geração anterior da plataforma. Assim, a atualização de servidores que rodam alguma versão do Windows Server 2008 poderá ser mais tranquila, já que, pelo menos na maioria dos casos, não será necessário realizar upgrades de hardware ou mesmo trocar de máquina.

De maneira geral, é possível perceber que o Windows Server 2012 é um software bastante maduro: é focado em desempenho, enraíza vários aspectos de cloud computing, está fortemente focado em virtualização, enfim. Trata-se mesmo de um produto respeitável, mas teremos que esperar para ver se com ele a Microsoft conseguirá ampliar sua fatia no mercado de soluções para servidores.

Para mais informações e download da versão de avaliação, acesse o endereço www.microsoft.com/brasil/windowsserver.

Emerson Alecrim

1
comentário

2012
23
ago

O novo logotipo da Microsoft

Mais do que um sistema operacional, a chegada do Windows 8, marcada para acontecer oficialmente em 26 de outubro de 2012, parece representar também uma nova era para a Microsoft. A empresa vem atualizando seus produtos para deixá-los em harmonia com a interface da plataforma, criando uma espécie de padrão visual dos novos tempos. Neste sentido, a empresa decidiu mudar também o seu logotipo.

Logo novo:

O novo logo da Microsoft

Logotipo anterior (qual é o melhor, na sua opinião?):

O logotipo anterior da Microsoft

O símbolo anterior esteve em uso por nada menos que 25 anos. Com ele, a Microsoft participou da popularização dos computadores pessoais e viu a internet se transformar no que é hoje, por exemplo. Mudar um logotipo assim, que representou a empresa em fases tão importantes, é uma decisão acompanhada de um peso enorme de responsabilidade.

Aparentemente, a Microsoft tratou do assunto com bastante cuidado: o novo logotipo não causa impressões negativas ou chocantes ao usuário, ao mesmo tempo que não parece ser um símbolo à frente ou atrás do seu tempo – é simplesmente uma representação visual atual.

Isso é possível porque a empresa utilizou a fonte Segoe no novo logotipo. E o que há de especial nisso? Acontece que esta é simplesmente a fonte que a Microsoft tem aplicado na descrição de vários de seus produtos ultimamente e que, portanto, explora padrões que o mercado já conhece.

O mesmo vale em relação ao símbolo: enquanto o logotipo anterior é formado apenas pelo nome “Microsoft”, a nova versão é acompanhada de um símbolo familiar, no sentido de remeter indiretamente ao principal produto da companhia: a linha Windows. Se bem que, de acordo com a Microsoft, o uso de uma imagem formada por quatro quadrados, cada um com uma cor diferente, serve para “expressar o portfólio diversificado de produtos da empresa”.

O novo logotipo da Microsoft

De maneira geral, considero a mudança bem feita. O novo logo, da mesma forma que acontece com os símbolos que a Microsoft aplicou ao Windows 8 e aos produtos do Office 2013, possui uma proposta minimalista e, justamente por isso, moderna. É um conceito que empresas como Google e Apple exploram com sucesso.

Emerson Alecrim

1
comentário

2012
31
jul

Outlook.com: muito mais que um serviço de e-mail

A proximidade do lançamento do Windows 8 tem feito a Microsoft anunciar uma série de novidades que se relacionam, de uma forma ou de outra, à plataforma. A mais recente delas é o Outlook.com, que foi lançado oficialmente hoje (31/07/2012) para entrar no lugar do tão conhecido Hotmail. A diferença aqui é que o serviço é muito mais que uma ferramenta de e-mail.

Outlook.com: desta vez a Microsoft acertou em cheio!

Outlook.com: desta vez a Microsoft acertou em cheio!

Para começar, o visual do Outlook.com mistura os conceitos de organização do Outlook “tradicional” com a interface Metro do Windows 8, que divide as informações visuais em blocos, abusando de linhas retas e cores sólidas. Não chega a ser tão limpo quanto o Gmail, por exemplo, mas é inegavelmente muito melhor que a interface do Hotmail.

Falando neste, é válido frisar desde já que os endereços hotmail@com não deixarão de existir. O que acontece é que a Microsoft adotará o Outlook.com como seu serviço padrão de e-mails. Inclusive, você pode criar um endereço seunome@outlook.com e fazê-lo funcionar de maneira integrada a uma conta já existente.

Para isso, basta fazer login em outlook.com e, no canto direito superior, clicar no ícone de uma engrenagem. Em seguida, clique em More mail settings e, finalmente, em Create a Outlook alias (ou seu equivalente em português). Por fim, resta seguir as instruções e torcer para que o nome que você deseja utilizar já não tenha sido habilitado por outro usuário.

Mas, como eu disse no início do texto, o Outlook é muito mais que um serviço de e-mail: o site tem comunicação com redes sociais e outros serviços da Microsoft. Você pode, por exemplo, integrá-lo ao Facebook e ao Twitter para receber atualizações de seus contatos nestes serviços, assim como pode clicar no botão de chat no canto direito superior para conversar com seus amigos do Windows Live Messenger (antigo MSN) – ou seja, você nem precisa mais ter este programa instalado em seu computador.

As integrações não terminam aí: ao passar o mouse sobre o logotipo do Outlook.com, uma seta aparece ao seu lado. Clicando nela, você pode acessar sua lista de contatos, sua agenda e a sua conta no SkyDrive (todos estes, com exceção do primeiro, com visual antigo, é bom avisar). Em breve, será possível também utilizar o Skype no Outlook.com.

Abaixo, um vídeo com mais detalhes sobre a novidade:

É claro que nem tudo são flores: você pode criar pastas no Outlook para organizar suas mensagens, mas estou tão acostumado com o esquema de etiquetas (tags) do Gmail que eu demoraria um pouco para me adaptar. Se é que eu me adaptaria.

Mesmo assim, a sensação de que a Microsoft acertou em cheio desta vez é eminente: o Outlook.com é bonito, organizado, leve, se integra bem a outros serviços, permite visualização de vídeos e documentos, sua busca é decente e seus anúncios publicitários não são invasivos. Duvido que alguém irá sentir falta do Hotmail.

Emerson Alecrim

 
comente

2012
19
jul

Sensacional: projeto utiliza Kinect para demonstrações de dubstep

Definitivamente, o Kinect está longe de ser apenas um acessório para jogos do Xbox 360. Quando programadores  começaram a usar o dispositivo para finalidades diferentes e a Microsoft passou oficialmente a apoiar a ideia, vários projetos pra lá de interessantes apareceram. Um deles é o V Motion Project.

V Motion Project - Imagem por Custom Logic

V Motion Project – Imagem por Custom Logic

Trata-se de uma iniciativa que envolve músicos, desenvolvedores, animadores e outros profissionais que possibilita apresentações de músicas eletrônicas do tipo dubstep com interações corporais que geram efeitos sonoros e visuais. É neste ponto que o Kinect entra em ação. Observe o vídeo abaixo:

Muito legal, não? Patrocinado pela V Energy, uma marca de bebidas enérgicas, o V Motion Project utiliza não só o Kinect (por meio do software BiKinect), mas também o Ableton Live, uma famosa (e poderosa) ferramenta para a criação e execução de áudio digital.

É válido lembrar que, no Brasil, também há projetos interessantes utilizando o Kinect. Um deles é o INTERA, sistema que permite o uso do dispositivo para a visualização de exames médicos em procedimentos cirúrgicos.

Referências: The Verge, Custom Logic.

Emerson Alecrim

 
comente

2012
20
jun

Codinome Apollo: Microsoft apresenta o Windows Phone 8

Windows Phone 8 - ApolloApenas dois dias depois de anunciar ao mundo os tablets da linha Surface, a Microsoft vira notícia novamente ao apresentar oficialmente a mais nova versão de seu sistema operacional para smartphones: o Windows Phone 8, que recebeu o codinome Apollo. Trata-se de uma versão que, apesar de não impressionar, possui características bastante interessantes quando comparada ao Windows Phone 7.5.

Núcleo compartilhado

Para começar, o Windows Phone 8 tem uma espécie de “núcleo compartilhado” com o Windows 8. A ideia aqui é a de que recursos existentes neste último possam ser aproveitados em smartphones com o novo sistema móvel. Com isso, desenvolvedores poderão criar aplicativos que podem rodar em ambas as plataformas, sem passar pelas dificuldades típicas deste tipo de adaptação.

Suporte a hardware melhorado

O suporte a hardware também foi melhorado. Embora não haja, obviamente, expectativa alguma de que esta capacidade seja aproveitada em sua totalidade, o Windows Phone 8 pode agora suportar processadores com até 64 núcleos, o que abre espaço para a tão sonhada característica de execução multitarefa no sistema.

Além disso, a nova versão suporta a instalação de programas em cartões microSD inseridos no smartphone – até então, este dispositivo apenas podia armazenar arquivos “normais”.

Resoluções de tela

No intuito de facilitar a disponibilização de aparelhos com os mais variados portes, o Windows Phone 8 promete suporte para as seguintes resoluções de tela: 1280 × 768 pixels, 1280 × 720 pixels e 800 x 480 pixels, sendo esta última a medida padrão do Windows Phone 7.5.

Tecnologia NFC

Esta talvez seja a novidade mais importante. A tecnologia NFC, que permite a comunicação entre dois dispositivos a partir de um simples aproximação entre eles, ainda está em fase embrionária no Brasil, mas já começa a ser base para aplicações em vários países.

Atualmente, o NFC tem sido utilizado principalmente para permitir pagamentos a partir do telefone celular, por isso, o Windows Phone 8 incorpora um sistema de nome Wallet (sim, a mesma denominação do serviço similar do Google) que tem a proposta de permitir integração com cartões de crédito e débito, além de contar com recursos de segurança diretamente no cartão SIM.

O Wallet do Windows Phone 8 parece funcionar bem, mas depende de parcerias com operadoras de telefonia e instituições financeiras, o que indica que, pelo menos no Brasil, a ferramenta não terá muita utilidade…

Outros recursos

No mais, o Windows Phone 8 conta, entre outras, com as seguintes novidades:

  • Navegador Internet Explorer 10 baseado na versão de mesmo nome desenvolvida para o Windows 8;
  • Tela inicial com características que lembram a interface Metro do Windows 8;
  • Sistema de mapas baseado no Nokia Maps;
  • Ferramenta de reconhecimento de voz Speech (nada comparável ao Siri, do iPhone, é bom frisar);
  • Skype instalado de fábrica (lembrando que o serviço foi adquirido pela Microsoft);
  • Novos recursos para uso no ambiente corporativo.

No vídeo abaixo, mais detalhes da nova tela inicial:

Migração do Windows Phone 7.5 para o Windows Phone 8

Você já tem um aparelho com Windows Phone 7.5 e gostou das novidades do Windows Phone 8, tanto que não vê a hora de migrar para a nova versão, certo? Pois esqueça! De acordo com a Microsoft, quem possui um smartphone com a versão 7.5 não poderá atualizar o sistema para o Apollo. Concordo, estava tudo indo bem demais…

Como se não bastasse, aplicativos criados para a versão 7.5 poderão rodar no Windows Phone 8, mas o contrário não acontecerá. Isso significa que, em um futuro não muito distante, os atuais aparelhos com Windows Phone cairão no “limbo do esquecimento”.

Para amenizar os efeitos desta notícia, a Microsoft informou que usuários do Windows Phone 7.5 poderão contar em breve com a versão 7.8, uma atualização que conterá alguns dos recursos do Apollo – na verdade, tudo indica que a única característica de destaque deste a ser implementada é a nova tela inicial.

É uma situação chata para usuários que estão adquirindo, por exemplo, os atuais aparelhos da linha Lumia, da Nokia. O ponto crítico está no fato de o Windows Phone 8 ter uma estrutura diferente da utilizada nas versões 7.x, fazendo com que uma adaptação se torne muito complexa. Pelo menos é o que explica a Microsoft. De qualquer forma, é um cenário tão incômodo quanto a fragmentação da plataforma Android, por exemplo.

Disponibilidade

Não há data exata definida para a chegada do Windows Phone 8 ao mercado. O que se sabe é que fabricantes como Nokia, Samsung e HTC irão lançar os primeiros smartphones com o sistema no segundo semestre de 2012. Em relação ao Windows Phone 7.8, a informação que se tem é a de que esta atualização será disponibilizada em breve, como já informado.

Referência: Windows Phone Blog.

Emerson Alecrim

 
comente

2012
18
jun

Microsoft anuncia Surface, seu tablet com Windows 8

Não se sabe se será um sucesso de vendas como Xbox 360 ou um fracasso absoluto como o player Zune, mas ninguém pode acusar a Microsoft de não tentar: na tarde de hoje (18/06/2012), a empresa reuniu a imprensa em Los Angeles, Estados Unidos, para apresentar o tablet Surface (sim, o mesmo nome daquela mesa com tela sensível ao toque). Seu sistema operacional é o Windows 8, como não poderia deixar de ser.

Surface – Imagem por Microsoft

Surface – Imagem por Microsoft

O tablet conta com tela de 10,6 polegadas e possui em sua parte traseira um suporte embutido, assim o usuário pode deixar o dispositivo em posição de “porta-retrato” em cima da mesa, por exemplo, sem necessidade de adquirir acessórios especiais. Ainda neste sentido, o Surface conta com uma capa magnética para a tela (Cover Type) onde um dos lados pode ser utilizado como um teclado de notebook.

Suporte do Surface – Imagem por Microsoft

Suporte do Surface – Imagem por Microsoft

A Microsoft também chamou a atenção para uma tecnologia de nome ClearType (a turma do Steve Ballmer adora reaproveitar nomes, né?), que tem a promessa de melhorar a resolução da tela, me parecendo ser algo com algum nível de semelhança com o recurso Retina Display, da Apple. Mas, ao contrário desta, a Microsoft não aboliu as tradicionais canetas stylus: é possível utilizar uma no Surface e prendê-la à lateral do dispositivo também por meio magnético.

No que se refere aos demais aspectos de hardware, é necessário levar em conta que a Microsoft está lançando duas versões do Surface, cada uma com especificações diferentes, já que uma é preparada para a plataforma ARM e a outra utiliza chips Intel. Eis as principais características de cada versão:

Surface para ARM Surface para Intel
Cerca de 680 gramas Cerca de 900 gramas
Espessura de 9,3 mm Espessura de 13,5 mm
Leitor de microSD Leitor de microSDXC
Porta USB 2.0 Porta USB 3.0
Armazenamento de 32 ou 64 GB Armazenamento de 64 ou 128 GB
Windows RT Conexão Mini DisplayPort
Office Home & Studio 2013 Windows 8 Pro

 

Percebeu que a versão para Intel é mais grossa e mais pesada? Tem um motivo: aparentemente, a Microsoft quis fazer com que esta variação do Surface se aproxime ao máximo da experiência que o usuário tem com um PC. Por isso, o dispositivo conta com hardware mais poderoso e suporta inclusive aplicativos antigos. Sinceramente, não sei se trata de uma boa ideia…

No vídeo abaixo, mais detalhes sobre o Surface:

www.youtube.com/watch?v=dpzu3HM2CIo

Você pode estar querendo saber a respeito de preço e disponibilidade. Pois bem, por ora, a Microsoft se limitou a dizer que o Surface terá preços semelhantes aos dos ultrabooks, que giram em torno de 1.000 dólares (ou seja, vai custar uma pequena fortuna, se chegar ao Brasil). O lançamento, por sua vez, deverá acontecer em outubro de 2012 em relação à versão para ARM, tendo como base os Estados Unidos. A versão para Intel deverá aparecer apenas no primeiro trimestre de 2013.

Por enquanto, é possível obter mais detalhes no site www.surface.com.

Emerson Alecrim

5
comentários

2012
15
maio

Officebook, da Microsoft, gera um arquivo bacana com os dados da sua conta no Facebook

A Microsoft inventou uma maneira bastante interessante de promover o Office 2010: criou o aplicativo gratuito Officebook, que gera arquivos com aparência profissional contendo estatísticas e informações interessantes sobre a sua conta no Facebook.

O meu arquivo revelou, por exemplo, que apenas 39% dos meus contatos são mulheres (poxa vida!), que a atividade que eu mais faço é compartilhar fotos, que 76% dos meus amigos são oriundos do Brasil e que eu já fui marcado em 24 imagens. Mas o mais legal é ver estas e as demais informações organizadas como se fosse uma revista:

Arquivo gerado pelo Officebook

Para quem estiver interessado, tudo o que é necessário fazer é visitar o endereço officebook.compreoffice.com.br, clicar em Officebook e, em seguida, fazer integração de sua conta do Facebook com o serviço. Na etapa seguinte, a ferramenta já estará apta a gerar um arquivo do Word contendo um resumo de suas atividades no Facebook.

De acordo com a Microsoft, em breve também será possível obter arquivos nos formatos do Excel e do PowerPoint. Espero que sejam tão legais quanto o arquivo para Word 🙂

Emerson Alecrim

 
comente

2012
23
fev

Microsoft denuncia Motorola para evitar “morte dos vídeos na Web”

Até os dias de hoje, muita gente vê a Microsoft como uma empresa “diabólica”, mas o fato é que, no mundo dos negócios, não existe companhias formadas só por “anjos” ou só por “demônios”. O que existe é uma necessidade imensa de dominar o mercado. As consequências são decisões que acabam inclusive parando nos tribunais, como o recente episódio envolvendo a Microsoft e uma das mais caras aquisições do Google, a Motorola.

A companhia criada por Bill apresentou uma denúncia contra a Motorola Mobility na Comissão Europeia alegando que esta última está tentando prejudicar as vendas de computadores com Windows, consoles Xbox e outros produtos. Como? Supostamente abusando das patentes que possui.

O que acontece é que a Motorola é dona de patentes dos mais variados tipos (foi por isso que o Google decidiu adquirí-la), entre elas, algumas de extrema importância relacionadas ao uso do padrão de vídeo H.264 em transmissões sem fio, que talvez você nunca tenha ouvido falar, mas certamente já utilizou ao visualizar conteúdo da Web via streaming. A Microsoft acusa a Motorola de cobrar muito caro por estas patentes.

Como exemplo, a companhia explica que um laptop com Windows que vale mil dólares requer pagamento pelas patentes em questão de 22,50 dólares. O problema é que, além destas, o equipamento conta ainda com cerca de 2.300 patentes obrigatórias relacionadas ao H.264 que pertencem a outras empresas. Sabe quanto é necessário pagar por todas elas? Dois centavos de dólar.

Este valor extremamente reduzido existe porque estas patentes são do tipo FRAND (Fair, Reasonable and Non-Discriminatory Terms), ou seja, fazem parte de um acordo amplo que facilita sua disponibilidade por serem essenciais ao mercado. O problema é que, na visão da Microsoft, a Motorola não está cumprindo a sua parte ao cobrar valores tão elevados.

Se esta situação se mantiver, a Microsoft teme se ver obrigada a encarecer seus produtos e, como consequência, ver seu volume de vendas cair. Se, por outro lado, optar por não usar as patentes, seus produtos serão “mutilados”. Estes são efeitos que podem ser sentidos por todo o mercado, razão pela qual a manifestação da Microsoft tem um título exageradamente dramático: “Google, não mate o vídeo na Web”.

É um assunto complexo e que, portanto, renderá vários capítulos, mesmo porque não sabe até ponto a denúncia é uma forma de defesa ou um meio bem elaborado de “enfraquecer” a concorrência. De qualquer forma, a Microsoft conta com um aliado de peso nesta disputa: recentemente, a Apple fez o mesmo tipo de queixa à Comissão Europeia contra a Motorola, com a diferença de tratar abertamente do assunto.

Referências: Microsoft on the Issues, Ubergizmo.

2
comentários

2012
17
fev

O novo logotipo do Windows agora lembra mesmo uma janela

Quando eu comecei a ter contato com PCs, o primeiro sistema operacional que experimentei foi o Windows 3.1 (nossa, agora eu me senti velho!). Desde então, o sistema ganhou inúmeras versões, mas em nenhuma delas eu conseguia enxergar claramente uma janela no logotipo (windows = janelas em inglês, como você deve saber). Mas isso acaba de mudar: a Microsoft divulgou hoje (17/02/2012) o logotipo do Windows 8 e, pela primeira vez, eu não precisei de esforço para enxergar uma janela ali:

Logotipo do Windows 8

Logotipo completo:

Logotipo do Windows 8

Trata-se de uma mudança bastante radical e, talvez, adequada à nova e ousada fase que o sistema operacional da Microsoft está prestes a entrar. O logotipo faz alusão à interface Metro do Windows 8, que divide as informações visuais em blocos, abusando de linhas retas e cores sólidas, fazendo com que o usuário tenha a sensação de combinação e continuidade entre os elementos visualizados.

O logotipo do Windows 8 é obra da Pentagram Design, que explicou sua criação dizendo: “seu nome é Windows [ou seja, Janelas]. Por que você é uma bandeira?”. É, de fato, os logotipos das últimas versões do Windows lembram mais uma bandeira em movimento do que uma janela. Só não sei ainda se gostei da nova imagem. E você, o que achou?

Referência: Blogging Windows.

Emerson Alecrim

6
comentários