2012
12
fev

A Campus Party 2012 chega ao fim

A edição 2012 da Campus Party, um dos maiores eventos tecnológicos e culturais do Brasil, chegou ao fim com clima de dever cumprido. Houve problemas, é verdade, assim como em todas as edições, mas no final, o saldo foi bastante positivo.

Atividades

Foram dezenas de palestras, debates e oficinas, sem contar os concursos e promoções realizados tanto na arena quanto na Zona Expo. No primeiro dia de atividades, por exemplo, um dos destaques foi Sugata Mitra, que falou de suas incríveis experiências envolvendo tecnologia e educação. Na quinta-feira, um ciborgue de verdade subiu ao palco principal para contar como é capaz de ouvir (é, ouvir) cores. Ontem, foi a vez do físico Michio Kaku, co-criador da Teoria de Campos de Cordas, arrancar aplausos dos participantes.

Michio Kaku no palco principal da Campus Party

Michio Kaku no palco principal da Campus Party

E é claro, os campuseiros também deram o seu show. Alexandre Ferreira, por exemplo, virou celebridade ao criar um incrível casemod de o Homem de Ferro. Era impossível não vê-lo dando entrevistas ou tirando fotos com outros participantes. Também vi muita gente trocando ideias, discutindo projetos, firmando parcerias, enfim. Com base nisso, não duvido nada que bons negócios surgirão a partir do evento.

Mallu Magalhães falando sobre música (até ela pegou fila…)

Mallu Magalhães falando sobre música (até ela pegou fila…)

Vince Gerardis, da série Game of Thrones

Vince Gerardis, da série Game of Thrones

Ricardo Fraga mostrando seu Chromebook, entregue a ele pelo próprio Google

Ricardo Fraga mostrando seu Chromebook, entregue a ele pelo próprio Google

A mulherada marcando presença: debate das Garotas Geeks, Pink Vader e GarotasCPBr

A mulherada marcando presença: debate das Garotas Geeks, Pink Vader e GarotasCPBr

Problemas

Pois é, como eu disse, a Campus Party 2012 não foi isenta de problemas. No decorrer da semana, por exemplo, um indivíduo supostamente de origem boliviana foi preso ao tentar sair do evento com três notebooks. A organização acertou ao conseguir impedí-lo, mas falhou por, de algum modo, ter permitido sua entrada sem credencial. Uma campuseira também teve sua barraca violada, com os objetos no interior tendo sido furtados.

Outra coisa que ficou evidente foi a falta de lugar: talvez pelo fato de a organização ter liberado 500 ingressos na véspera do evento, muita gente teve que ficar rondando o local para procurar uma cadeira que estivesse sendo esvaziada em alguma bancada.

Falta de água também foi um problema…

Falta de água também foi um problema…

Filas também foram presença marcante. Fila para entrar, fila pra sair, fila para pegar van em certos horários (como no almoço), fila para participar de promoção, enfim. Em determinado momento, criaram até uma fila falsa (que não tinha objetivo nenhum) e, acredite, muita entrou nela. Ao menos não houve filas extremamente demoradas para o credenciamento no primeiro dia, quando a maioria dos campuseiros chegou, o que evidencia que a ideia de entregar boa parte das credencias via Correios foi acertada.

Números

Na noite de ontem (11/02/2012) houve o encerramento oficial da Campus Party 2012, momento no qual Mario Teza, um dos principais nomes por trás da organização do evento, subiu ao palco para falar de alguns números incríveis:

  • A Campus Party 2012 teve 7,5 mil campuseiros;
  • Destes, 5,5 mil acamparam no evento;
  • A participação das mulheres aumentou: 71% homens, 29% mulheres (que seja ainda maior no ano que vem, hehehe…);
  • A cobertura do evento contou com a participação de 1.040 membros da imprensa (inclusive deste que vos escreve);
  • A Zona Expo, área aberta ao público em geral, recebeu cerca de 160 mil visitantes;
  • Na área de alimentação destinada aos campuseiros, o consumo de batata frita superou duas toneladas (!!!).

5,5 mil pessoas acamparam!

5,5 mil pessoas acamparam

Campus Party 2013

Definitivamente, a Campus Party é uma ideia que deu certo no Brasil, portanto, a edição 2013 está praticamente confirmada – claro, se o mundo não acabar até lá. O que eu espero para o evento:

  • O Anhembi Parque recebeu aprovação de quase todo mundo. É muito espaçoso, razoavelmente bem localizado e tem boa iluminação, portanto, tomara que a edição 2013 também aconteça lá. Sim, porque, pelo menos por enquanto, não há nada que indique que a Campus Party acontecerá fora de São Paulo;
  • Que tenha melhor ventilação/refrigeração. Os primeiros dias foram terríveis. O calor foi tamanho que era impossível não ver alguém transpirando. A organização do evento colocou alguns ventiladores potentes, mas só amenizou o problema;
  • Que haja bebedouros espalhados pelo local. Dois e, depois, quatro, nem de longe foram suficientes;
  • Que os preços da praça de alimentação sejam melhores. Pagar 15 reais por um lanche mais um suco é surreal;
  • Que o esquema de segurança seja mais eficiente. Ouvi falar em RFID para etiquetar equipamentos e controlar os acessos. Tomara! Com isso, as filas irão diminuir drasticamente;
  • Que a qualidade das palestras, debates e oficinas sejam tão boas quanto foram neste ano. Não tenho dúvidas de que será.

A Campus Party 2013 deverá acontecer em janeiro ou fevereiro do próximo ano. Se você tiver oportunidade de ir, aproveite! No evento, você terá chance de conhecer pessoas, trocar ideias, aumentar seus conhecimentos, assistir a palestras de pessoas realmente incríveis, enfim, ter experiências únicas!

Por ora, não deixe de dar uma olhada no link live.campus-party.org para ver as atrações deste ano. Tem muita coisa interessante por lá 😉

Veja mais fotos nos seguintes links:

Emerson Alecrim

2
comentários

2012
09
fev

Um ciborgue que ouve “cores” na Campus Party 2012

Uma das atrações da Calor Campus Party 2012 nesta quarta-feira (08/02/2012) foi Neil Harbisson. Britânico, mas vivendo atualmente na Espanha, ele é compositor, artista visual e… ciborgue?! Não, você não leu errado: Neil Harbisson nasceu em 1982 como um humano qualquer, mas se tornou oficialmente um ciborgue em 2004.

Neil Harbisson na Campus Party 2012

Neil Harbisson na Campus Party 2012

Um ciborgue é um ser que possui partes orgânicas e cibernéticas. No caso de Neil Harbisson, a parte “robótica” é uma  câmera apelidada de eyeborg que possui sensores que se comunicam com o seu cérebro. Isso porque Harbisson sofre de acromatopsia, uma doença rara que o impede de ver cores, fazendo-o enxergar apenas tons em preto e branco.

Este é um problema bastante limitador. Para pessoas como Harbisson, tarefas simples como identificar a cor do semáforo ou escolher frutas no mercado são um verdadeiro desafio. Diante disso e do fato de a doença ser incurável, Neil Harbisson buscou uma alternativa com a ajuda de um cientista, trabalho que resultou na criação do eyeborg, em 2004.

O que este “olho eletrônico” faz é identificar cores e emitir sequências de notas musicais correspondentes. Ou seja, Harbisson continua não conseguindo ver cores, mas é capaz de identificá-las a partir de sons associados a elas. O dispositivo é capaz de emitir cerca de 360 sequências sonoras diferentes, indicando a mesma quantidade de tons. Pode parecer difícil, mas o britânico conseguiu se adaptar ao esquema, apesar de algumas dificuldades no início.

E por que o eyeborg faz de Neil Harbisson um ciborgue? Agora vem a parte mais interessante: a primeira versão do dispositivo tinha algumas limitações, especialmente exigir fones de ouvido, que o atrapalhavam a escutar pessoas falando, e a obrigatoriedade de uso de um laptop de 5 quilos. A solução encontrada foi fazer com que um chip emissor de áudio fosse ligado ao seu crânio em um procedimento cirúrgico, uma vez que os ossos propagam sons. Desta forma, Neil acabou também se livrando do notebook.

Em 2010, Harbisson decidiu criar a Cyborg Foundation, uma organização para ajudar pessoas que necessitam se transformar em ciborgues. Extravagância? De forma alguma! Em certa ocasião, ao necessitar emitir um passaporte, Harbisson pediu para sair na foto do documento com o eyeborg, já que o dispositivo o caracteriza, mas teve dificuldades para isso. A partir daí, iniciou uma jornada judicial para ser reconhecido oficialmente como um ciborgue, o que levou a criar a entidade.

Muito legal, né? Percebeu que, com essas experiências todas, Harbisson é capaz de enxergar as cores das músicas?

Para quem se interessar, é possível ver a apresentação de Neil Harbisson na Campus Party 2012 aqui (necessário cadastro para visualizar).

Emerson Alecrim

1
comentário

2012
08
fev

Homem de Ferro, o casemod mais incrível da Campus Party 2012!

Tradicionalmente, a Campus Party apresenta vários casemods pra lá de criativos, mas a edição 2012 conseguiu se superar, graças ao incrível trabalho de Alexandre Ferreira. O que ele fez? Simplesmente criou um casemod em tamanho real (ou, se preferir, no tamanho de uma pessoa) do Homem de Ferro.

Durante um rápido bate-papo, Alexandre me explicou que o “corpo” do casemod foi todo revestido com fibra de vidro. Pela riqueza de detalhes, dá para perceber que foi um trabalho exaustivo e que certamente exigiu muita paciência:

Casemod Homem de Ferro, uma das atrações Campus Party 2012

Casemod Homem de Ferro, uma das atrações Campus Party 2012

Mas ele não se preocupou apenas com os detalhes externos. O casemod também acende luzes nas mãos, peitos e olhos, levanta a máscara e pode movimentar as pernas, tudo para ser o mais fiel possível ao personagem. Para controlar tudo isso, Alexandre programou, com algum auxílio de colegas de trabalho, um arduíno. Percebe? É um trabalho que une informática com robótica!

E é claro: ali dentro tem um computador rodando, portanto, outra preocupação levada a sério foi a refrigeração e a posição dos componentes de hardware. Alexandre me contou, por exemplo, que instalou um cooler de 80 mm em cada panturrilha de sua criação, inseriru outros dois de 120 mm na região da cintura e que posicionou a placa-mãe no tórax, com os HDs ficando mais à direita.

Como você pode ver no vídeo abaixo, Alexandre gastou 5 mil reais no projeto. Ele teve a ideia na Campus Party 2010 e levou cerca de dois projetando (incluindo o tempo que levou para conseguir pagar os componentes) e dez meses construindo. Como se nota, Alexandre Ferreira não teve nenhum tipo de patrocínio. Ao menos teve a colaboração da empresa onde trabalha, que o liberou para participar da Campus Party, conforme faz questão de frisar.

Caso tenha interesse no trabalho de Alexandre ou apenas queira lhe dar os parabéns, basta contatá-lo pelo site www.casemonstro.com.br 😉

Emerson Alecrim

 
comente

2012
08
fev

[Fotos] Zona Expo da Campus Party 2012

Tal como você deve saber, a Campus Party 2012 não é só para os campuseiros: o público em geral pode visitar a Zona Expo, área de acesso gratuito que concentra estandes de várias empresas. Reconheço que não está tão divertida quanto esteve nas edições anteriores, mesmo assim, a todo momento há alguma atividade interessante acontecendo por ali, por isso, vale a pena conferir.

Abaixo, algumas fotos da Zona Expo. Como é possível perceber, a Intel é um dos grandes destaques, com uma área imensa destinada aos gamers de plantão:

Kinect no estande da Vivo

Estande da Intel

Estande da Intel

Estande da Intel

Estande do Terra

No momento em que fazia as fotos, vi esta duplinha jogando ping pong com um robô:

Ok, seria mais interessante se o robô que dispara as bolas também as rebatesse, mas não deixa de ser interessante observar a habilidade destes talentosos jovenzinhos 🙂

Mais fotos podem ser conferidas abaixo (se não conseguir visualizar, você pode vê-las diretamente em meu Flickr):

A Zona Expo funciona das 10h às 21h. Quem quiser conferir tem até o dia 11/02/2012 (sábado) para fazê-lo. Lembrando que a Campus Party 2012 está sendo realizada no Anhembi Parque. Há vans gratuitas saindo do estacionamento do Shopping Metrô Tietê entre 08h30 e 23h30 para o local.

Emerson Alecrim

1
comentário

2012
07
fev

Campus Party 2012: com Sugata Mitra, educação e tecnologia combinam como arroz e feijão

Em 1999, Sugata Mitra realizou um experimento pra lá de interessante: colocou um computador com acesso à internet no muro de um local público em Nova Delhi, na índia. Com câmeras escondidas, Mitra observou que, aos poucos, crianças do lugar começaram a utilizar o computador e a ensinar outras a fazê-lo. A experiência ficou conhecida como Hole in te Wall (buraco na parede) e foi repetida em vários países.

De origem indiana, Sugata Mitra é um renomado professor do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e da Newcastle University, no Reino Unido. E também é uma das atrações da Campus Party 2012. A sua especialidade é, tal como você já deve ter previsto, o uso da tecnologia na educação. A gente houve falar muito disso por aí, tal como se fosse um tema da moda. Mas a diferença é que Mitra entende mesmo do assunto.

Na coletiva de imprensa realizada hoje na Campus Party, Mitra deu declarações interessantíssimas e que realmente te fazem parar para pensar. Em uma delas, ele trata da questão da falta de mão-de-obra especializada, um problema que afeta empresas de vários países. Para ele, não é que as pessoas estão chegando despreparadas ao mercado de trabalho, mas sim que sua formação contém conhecimentos inúteis.

Não é difícil entender seu ponto de vista. O próprio Mitra explica que a educação atual é baseada em modelos criados décadas atrás e que podiam funcionar bem naquela época, mas não hoje. Como mudar? Fazendo uma verdadeira reforma educacional, começando, por exemplo, na forma como os alunos são avaliados.

Françoise Trapenard, presidente (ou presidenta?) da Fundação Telefônica e Sugata Migra

De maneira geral, quando fazemos uma prova no colégio ou na faculdade, por exemplo, simplesmente apelamos para a “decoreba”. Mitra explicou que o hábito de contar com a memória foi criada porque, por muito tempo, foi a única ferramenta que tínhamos. Mas, hoje, temos laptops, tablets e celulares que nos permitem armazenar informações, consultá-las a qualquer momento e, com a internet, obtê-las rapidamente. Então, por que continuamos com o velho esquema de “se eu pegar alguém colando dou zero?”

Esta pergunta serve de indireta para outro assunto abordado por Mitra: o desinteresse dos alunos nas atividades escolares. Não é uma questão de interesse. É uma questão de abordagem. Se o aluno não entender a razão pela qual deve aprender aquilo, não vai se interessar mesmo.

Em outro teste, Mitra perguntou a alunos de uma escola chinesa como o iPad consegue localizá-los. As crianças pesquisaram na internet e logo descobriram que o GPS é responsável por isso. Depois, Mitra perguntou: por que o GPS utiliza pelo menos três satélites em vez de um ou vinte? Pois é, eis um jeito simples de fazer os alunos se interessarem por trigonometria.

Se você estiver na Campus Party, Sugata Mitra fará uma apresentação hoje (07/01/2012) no Palco Principal às 19h00 (horário de Brasília, heim!). Se você não estiver, não se preocupe: a apresentação será transmitida ao vivo e digrátis a partir do link live.campus-party.org. Também não deixe de conferir a apresentação de Sugata Mitra no TED (com legendas em português). Se você ler este post a tempo, fica a dica. Ouvir o que Sugata Mitra tem a dizer pode fazer você rever alguns de seus conceitos 😉

Update: para quem não acompanhou ao vivo, é possível ver a apresentação de Sugata Mitra aqui.

Emerson Alecrim

1
comentário

2012
06
fev

A Campus Party 2012 começou!

O primeiro dia é destinado quase que exclusivamente para que os campuseiros possam chegar, se instalar e conhecer o local, portanto, não há atrações, com exceção para a cerimônia oficial de abertura, que acontece às 23h30. Mesmo assim, já é possível entrar no clima da Campus Party 2012: o pessoal está aproveitando a conexão de 20 Gb/s (ou tentando), já há atividades em alguns estandes, tem gente conhecendo outras pessoas ou revendo velhas amizades, enfim.

Não dá para negar que esta edição está mais organizada que as anteriores. Sim, ainda há filas, principalmente no acesso à área de camping, mas não notei nada parecido com o caos das edições 2011 e 2010, por exemplo. O que ajudou, certamente, é o fato de boa parte dos participantes ter recebido as credenciais em casa.

Há alguns problemas que eu espero que sejam pontuais: parece não haver refrigeração suficiente, uma vez que o lugar está muito quente; não encontrei um bebedouro sequer; e há várias opções de alimentação, mas os preços estão muito altos (uma garrafa d’água, por exemplo, custa 4 reais, em média).

A localização é um ponto positivo: a Campus Party 2012 está sendo realizada no Anhembi Parque, lugar mais acessível. Para quem estiver a pé, há vans gratuitas saindo do estacionamento do Shopping Metrô Tietê entre 08h30 e 23h30. Aliás, esta é a opção mais recomendada, uma vez que o estacionamento do local custa 30 reais por dia. Não encontrei filas para pegar a van.

Eis algumas fotos do primeiro dia:

Campus Party 2012

Campus Party 2012

Link de 20 Gb/s para acesso à internet

Link de 20 Gb/s para acesso à internet

Casemod de O Poderoso Chefão

Casemod de O Poderoso Chefão

Simulador de corrida no estande da Azul. Não deveria ser um avião? o.O

Simulador de corrida no estande da Azul. Não deveria ser um avião? o.O

A Campus Party 2012 começa pra valer amanhã. Entre as várias atrações do evento estão nomes como Michio Kaku, um dos criadores da Teoria de Campos das Cordas; Kul Wadhwa, diretor-gerente da Wikipedia; Vince Gerardis, produtor da série Game of Thrones; e Julien Fourgeaud, produtor do jogo Angry Birds. Confira a programação completa em www.campus-party.com.br/2012/agenda-geral-cpbr5.html.

Se você não estiver entre os campuseiros desta edição, poderá ver ao vivo algumas das atrações a partir do endereço live.campus-party.org. Outra opção é visitar a Zona Expo, que estará aberta gratuitamente ao público a partir de amanhã 🙂

Mais fotos:

www.flickr.com//photos/ealecrim/sets/72157629203438691

Emerson Alecrim

 
comente