O Google alterará suas políticas de privacidade. O que isso quer dizer?

Caixa com cadeado (imagem ilustrativa)O internauta mais atento deve ter percebido que, ao acessar o Google nos últimos dias, uma mensagem abaixo do campo de busca informa que o serviço terá seus termos de uso e suas políticas de privacidade alteradas. Pouca gente dá atenção a assuntos como este, mas é importante se inteirar das mudanças porque elas envolvem diretamente os seus dados.

A primeira coisa que precisamos entender é que o Google unificará as políticas de seus produtos. Em outras palavras, teremos o mesmo conjunto de políticas de privacidade para cada serviço da empresa. Isso é bom para o usuário, que terá acesso mais fácil às políticas, e bom para a empresa, que terá mais facilidade para gerenciar estes documentos. O próprio Google explicou que a mudança eliminará cerca de 60 políticas de privacidade, já que todas serão substituídas pelo mesmo conjunto.

Essa unificação também existirá com os dados do usuário: a exemplo do que já acontece em alguns produtos da empresa, estes poderão ser compartilhados entre os serviços do Google. E que dados são estes? Informações de navegador, localização física do usuário com base em IP, termos pesquisados, entre outros itens que passam a ser coletados quando você faz login em qualquer serviço da empresa.

A vantagem disso é que, com a análise dos hábitos de navegação do usuário, o Google conseguirá oferecer resultados de busca e outros recursos de maneira ainda mais personalizada. Assim, pode ser que se você pesquisar sobre um modelo de carro no Google, encontre sugestões de vídeos relacionados ao veículo ao acessar o YouTube, por exemplo. Sim, a empresa continuará utilizando estas informações para exibir anúncios baseados em seus interesses.

Vídeo onde o Google explica as mudanças

Mas o assunto também rendeu críticas. Em parte porque, de maneira geral, as pessoas se sentem desconfortáveis com o uso de suas informações, apesar dos benefícios que isso pode trazer. É aqui que está um dos pontos delicados: todo mundo sabe que o Google já faz uso destes dados, mas as pessoas podem determinar quais informações cada serviço deve utilizar por meio das opções de privacidade; com a unificação, teme-se que esta possibilidade deixe de existir ou seja “enfraquecida”.

Esta percepção leva a outra questão: as mudanças valerão a partir de 1º de março de 2012. E a condição é a seguinte: ou o usuário aceita ou deixa de utilizar os serviços do Google. Esta crítica o Google tratou de responder prontamente, dizendo que determinados serviços, como o YouTube ou o Google Maps, podem ser utilizados sem login ou mesmo com contas diferentes.

Não para por aí: há também quem veja o compartilhamento de dados entre serviços como uma forma de o Google obter informações ainda mais precisas sobre o perfil de cada usuário, o que daria à empresa uma concentração de “poder” muito grande.

Há ainda o temor de que as alterações diminuam a privacidade do usuário. Quanto a isso, o Google explicou que as condições referentes a este ponto não sofrerão mudanças e ressaltou que as informações obtidas não serão compartilhadas com terceiros ou revendidas, exceto em caso de ordem judicial, assim como acontece hoje.

Caberá ao usuário decidir se concorda com isso ou não. Caso positivo, basta continuar usando os serviços a partir de 1º de março de 2012. Se não, o usuário poderá reagir trocando o serviço de e-mail, utilizando determinados produtos sem login, tentando ao máximo restringir suas configurações de privacidade, entre outras ações. O mais importante de tudo é estar ciente do assunto.

É possível saber mais na página Políticas e Princípios do Google e no blog oficial da empresa.

Emerson Alecrim





6 comentários:

  1. helinux


    escroto essa do google,,,eles praticamente já faziam isso e hoje está querendo se justificar,,,a verdade que eles criam suas políticas de privacidade para apenas controlarem a nossa privacidade,,,muito estranho e desconfiança realmente existe…estou na dúvida,,,vamos ver no que vai dar!!!!!

  2. Zarman


    Armazenar automaticamente os dados deveria ser uma opção porque podem ocorrer situações constrangedoras como por exemplo um computador compartilhado revelaria que o outro usuário está com algum problema financeiro, conjugal ou de saúde.

    O armazenamento automático de comportamento não é uma forma agradável de tornar um sistema mais efetivo.

  3. União Europeia pede ao Google adiamento das mudanças em suas políticas de privacidade | InfoWester Notícias


    […] da União Europeia (UE) estão preocupadas com as alterações que o Google pretende implementar em suas políticas de privacidade a partir de março de 2012. Por conta disso, a Article 29 Working Party (Grupo de Trabalho do […]

  4. Ministério da Justiça quer explicações sobre as mudanças nas políticas de privacidade do Google | InfoWester Notícias


    […] em vigor desde o início do mês as alterações que o Google determinou para as políticas de privacidade de seus serviços. Dada a polêmica em volta do assunto, o Departamento de Proteção e Defesa do […]

  5. Agora é possível visualizar um resumo das atividades de sua conta no Google | InfoWester Notícias


    […] Este tipo de informação é importante por vários motivos: você passa a ter noção de quais serviços mais utiliza no Google; pode verificar se sua conta está sendo utilizada indevidamente por terceiros (se, por exemplo, o relatório mostra acessos de uma país que você não frequentou recentemente, algo pode estar errado); fica mais fácil perceber quais informações o Google tem sobre você, especialmente depois da unificação de suas políticas de privacidade. […]

  6. O Google alterará suas políticas de privacidade. O que isso quer dizer? | InfoWester – RETÓRICA.online


    […] Source link […]