O “Genuine Advantage” do MS-Office e uma crítica ao OpenOffice.org

Lembra do WGA (Windows Genuine Advantage), funcionalidade criada pela Microsoft para “informar” o usuário de quando seu Windows for pirata? Pois bem, esse recurso agora será implementado no Office e se chamará “Office Genuine Advantage“, então guarde bem esta sigla: OGA.

Para atualizar o Office e baixar recursos extras, o OGA será obrigatório, assim como será o WGA para o Windows Vista. Nos EUA, os usuários que tiverem seu Office reconhecido como ilegal, poderão adquirir uma versão legítima por valores que vão de 139 dólares (versão para estudantes) a 269 dólares (versão Professional).

Acredito que isso gerará mais espaço para o equivalente livre OpenOffice.org (BROffice.org no Brasil). Aliás, tenho notado que muitas lan-houses, escolas e faculdades estão oferecendo, cada vez mais, esse pacote aos seus usuários. Isso significa que a adaptação não é difícil e, no final das contas, é possível constatar que o OpenOffice.org atende às necessidades da maioria das pessoas.

Porém, uma situação que notei me força a fazer uma ressalva: muitos usuários precisam apenas de um pacote de escritório para suas atividades, portanto, estão pouco ligando para a disputa entre uma suíte e outra. O problema que encontrei é que, por padrão, o OpenOffice.org salva seus arquivos nos formatos ODF (extensão .odt para texto, por exemplo). A questão é que muita gente faz isso sem perceber e, posteriormente, tenta abrir os arquivos em computadores com o Office da Microsoft. Como conseqüência, não conseguem sequer visualizá-los.

No caso de textos, por exemplo, esse tipo de usuário não sabe que precisa salvar no formato .doc para abrir o arquivo no MS-Word – neste, ele o faz automaticamente, portanto acredita que ocorrerá o mesmo no OpenOffice.org. Por esta razão, creio que o OpenOffice.org deveria ter salvamento padrão nos formatos da Microsoft, pelo menos por um tempo. Sei que é necessário divulgar o ODF, mas vale lembrar: a grande maioria dos usuários comuns considera estas questões meramente técnicas, portanto, não gostam de se envolver. O pior é que, quando se dão conta de que o arquivo feito no OpenOffice.org não abre no Word, julgam o primeiro como ruim. Aí não tem jeito: esse usuário tem uma imagem negativa do OpenOffice.org, portanto não irá utilizá-lo nunca por livre e espontânea vontade.

Na minha opinião, o OpenOffice.org tem que conquistar usuários por seus diferenciais, assim como faz a Mozilla Foundation com o Firefox. Todavia, esses pequenos detalhes, como este que destaco, podem fazer a diferença. Você pode argumentar que é possível configurar o OpenOffice.org para salvar arquivos em formatos proprietários por padrão, mas o usuário comum pode não ter base para descobrir isso.

Trabalho em uma universidade e fiz essas constatações observando o comportamento dos alunos. No último caso – que por sinal, me incentivou a redigir esse texto – uma aluna, quando percebeu que o arquivo que fez no OpenOffice.org de uma lan-house não abria no Word de seu notebook, disse à sua colega: “não falei que aquele Office não prestava?”.

Referência: TechSpot.

Emerson Alecrim