Internet banking no Brasil e a questão da orientação

Ilustração de internet bankingNa semana passada, publiquei uma notícia aqui no InfoWester informando que a internet já é o principal meio para transações bancárias no Brasil, de acordo com o Banco Central. Mas o fato é que ainda falta muito para essa modalidade se tornar, por assim dizer, trivial para a maioria dos internautas brasileiros. O motivo? Falta de segurança. Ou de orientação.

É o que diz esta nota publicada no último dia 10 na Agência Brasil. E eu concordo plenamente. Acredite, os bancos brasileiros investem pesado em segurança, mas isso pouco adianta quando há vulnerabilidade também no lado de fora da tela: nas pessoas.

Vamos tomar como exemplo aqueles frequentes e-mails falsos que falam que você precisa atualizar dados da sua conta bancária. Você percebe que a mensagem usa o nome “Itau” em vez de “Itaú”, que o campo de destinatário tem vários endereços de e-mail juntos ao seu, que o link presente na mensagem aponta para uma URL totalmente suspeita e que há diversos erros gramaticais no texto.

Você exclui imediatamente esse e-mail ao notar que ele é falso, mas acredite, muita gente não percebe que se trata de um golpe. E, muitas vezes, não é só por falta de experiência na utilização da internet, mas também por dificuldades de assimilação. Dias atrás, orientei um vizinho sobre esse tipo de mensagem, mas como é que ele poderia notar os erros gramaticais se ele mesmo tem dificuldades para escrever?

É uma situação cada vez mais complicada. Os bancos acabam tentando reforçar sua segurança implementando tecnologias e procedimentos que tornam o acesso aos serviços bancários cada vez mais complicados. Isso até pode melhorar a segurança, mas também afasta potenciais utilizadores e irrita quem, por algum tipo de restrição, não consegue efetuar o que queria no site do banco.

Pelo menos no curto e no médio prazo, não há solução que resolva essa questão, isto é, a de deixar o internet banking mais seguro, mais fácil de se usar e, consequentemente, mais popular. O melhor a ser feito é amenizar o problema combinando tecnologias de segurança com orientação constante ao usuário, de forma que este conheça não só os cuidados necessários para acessar serviços bancários on-line, mas também para que possa entender os cuidados que deve ter na internet como um todo. Tarefa difícil, mas não impossível.

Emerson Alecrim