Cubano está a 4 meses em greve de fome para ter acesso à internet

O jornalista e psicólogo Guilhermo Fariñas, de 42 anos, está a 4 meses em greve de fome em protesto contra a impossibilidade de usar a internet em Cuba.

Fariñas está internado em estado grave em um hospital na província de Villa Clara, onde é alimentado via intravenosa, já que seu aparelho digestivo está debilitado. Como conseqüência, seu peso passou de 78 para 50 quilos.

Guilhermo já recebeu dezenas de cartas pedindo a desistência dessa forma de protesto, mas ele insiste:

“Minha greve de fome se estenderá até a minha morte se os governantes cubanos não me outorgarem o direito de usar a internet”.

O protesto começou quando Fariñas se viu impossibilitado de usar a internet para transmitir informações de sua agência, na cidade de Santa Clara (o governo cubano considera a agência ilegal), mas agora ele luta para que todos os cubanos tenham acesso à “grande rede”.

O governo cubano alega que as restrições do acesso à internet se devem à impossibilidade de se usar os cabos submarinos de telecomunicações que contornam Cuba, restrição imposta pelo embargo econômico mantido pelos Estados Unidos.

Guilhermo Fariñas, no entanto, é opositor de Fidel Castro e as informações que transmitiria pela internet têm a ver com a situação de cerca de 300 presos políticos no país e com os atos de repressão contra os opositores do governo.

Referência: IBLNews.

Emerson Alecrim