O que é SPAM e como evitá-lo?

Introdução

SPAM é o nome dado às mensagens indesejadas que chegam ao internauta por e-mail, embora também possam circular em outros meios, como redes sociais e blogs. A prática do SPAM é tão disseminada que é praticamente impossível evitar que você receba uma mensagem do tipo. Felizmente, algumas atitudes simples podem amenizar o problema.

É por isso que este texto foi escrito. Nele, você saberá o que é SPAM, conhecerá alguns dos problemas que este tipo de mensagem causa, verá dicas que ajudam a combatê-lo, entre informações a respeito do assunto. Vamos lá?


O que é SPAM?

SPAM é um tipo de mensagem eletrônica que chega ao usuário sem que este tenha solicitado ou considere a hipótese de recebê-lo. Em geral, esta prática tem finalidade comercial, ou seja, tenta fazer com que a pessoa adquira algum produto ou serviço. Mas também pode ser um meio para a disseminação de golpes, hoax (boatos), difamação, malwares e assim por diante.

SPAM Outra característica do SPAM é que este tipo de mensagem costuma ser disparado para centenas ou milhares de pessoas ao mesmo tempo. Este é um dos motivos de sua existência: o SPAM pode chegar a um número consideravelmente grande de pessoas em um intervalo de tempo muito curto e sem grande esforço.

Isso acontece porque o spammer (indivíduo responsável pela emissão de SPAM) sabe que a mensagem só causará efeito em uma parcela pequena de pessoas e, portanto, necessita de meios para fazer o alcance ser o maior possível. Em muitas situações, caso ele obtenha retorno com apenas 1% ou 0,5% do total de mensagens, por exemplo, provavelmente o seu envio já terá valido a pena.

O fator custo também influencia: o spammer  pode utilizar ferramentas criadas especificamente para este fim, fazendo com que o retorno obtido compense os gastos necessários para utilizá-las. Em outras palavras, o SPAM também existe por ser barato.


Quais problemas o SPAM causa?

Sendo pouco custoso e capaz de chegar a um número elevadíssimo de pessoas rapidamente, o SPAM se tornou difundido o suficiente para causar os mais diversos tipos de transtornos, não só a internautas, mas também a empresas e outras instituições. A seguir, os principais problemas.

Inconveniência

O SPAM é inconveniente: "polui" a caixa de entrada do usuário, o faz perder tempo apagando mensagens desnecessárias, ocupa o espaço de armazenamento de sua conta, pode exibir conteúdo inapropriado, entre outros.

Esta prática também pode ser irritante em inúmeras situações. Por exemplo, se estiver esperando uma mensagem importante e o seu celular notificar da chegada de um e-mail, você ficará consternado ao constatar que, no final das contas, interrompeu suas atividades para dar atenção a um SPAM.

Gastos adicionais para empresas

O SPAM também gera prejuízos para empresas, especialmente provedores de internet e serviços de e-mail. Isso porque estima-se que pelo menos metade das mensagens em circulação na internet seja SPAM, fazendo com que companhias tenham que gastar mais com tráfego de dados, armazenamento de informações, ferramentas de segurança e suporte ao usuário.

Gastos para o usuário

O SPAM pode ainda aumentar os gastos do usuário. Se a pessoa estiver, por exemplo, conferindo seus e-mails em um smartphone a partir de uma rede 3G ou 4G, o volume de dados destas mensagens pode causar impacto, mesmo que pequeno, na cota de tráfego do seu plano.

Riscos à segurança e prejuízo financeiro

O SPAM pode conter links ou anexos que direcionam para malwares ou sites falsos (phishing scam), assim como fazer a pessoa adquirir produtos de procedência ou qualidade duvidosa.

Se contaminado, o computador pode ainda emitir SPAMs para outras pessoas sem o usuário perceber, situação capaz de compromenter o desempenho da máquina e fazer com que o alcance do problema aumente.

Não recebimento de mensagens legítimas

Para lidar com o SPAM, empresas de internet investem pesado em filtros e outros mecanismos capazes de barrar este tipo de mensagem. Estas ferramentas costumam ser eficientes, mas não são perfeitas.

Um dos problemas existentes é a possibilidade de o filtro classificar como SPAM uma mensagem legítima. Ciente disso, o usuário se vê obrigado a verificar a caixa de SPAMs periodicamente para "resgatar" mensagens verdadeiras que tenham parado lá. Se isso, por si só, já é um transtorno, imagine se a mensagem for apagada sem que a pessoa a tenha lido!

E-mail classificado indevidamente como SPAM
E-mail classificado indevidamente como SPAM

Um filtro antispam também pode fazer com que uma mensagem seja impedida de enviar um link via rede social a um amigo, por exemplo, ou devolver e-mails por estes terem conteúdo que lhe parece suspeito.


Como identificar um SPAM?

A primeira característica está explícita na definição curta do conceito: o SPAM consiste em uma mensagem não solicitada e que você não esperava receber. Mas há vários outros aspectos que ajudam a identificar uma mensagem do tipo. Eis as principais:

- Propaganda apelativa: título ou mensagem do e-mail descrevendo ofertas, descontos ou promoções, geralmente excessivamente vantajosas;

- Oferta de produtos "milagrosos": remédios para emagrecimento fácil, serviços para enriquecimento rápido, tratamento para queda de cabelo, TV por assinatura pela internet, entre outros;

SPAM sobre emagrecimento fácil
SPAM sobre emagrecimento fácil

- Título confuso: o título pode ser escrito de maneira confusa para se parecer com uma mensagem pessoal (como "olá, lembra de mim?" ou "parabéns pelo seu dia") ou para enganar filtros antispam;

- Remetente obscuro: o remetente do e-mail pode ser um endereço obscuro (com caracteres ordenados aleatoriamente, por exemplo) e, não raramente, inexistente;

- Aviso de que não se trata de SPAM: pode haver um aviso no final da mensagem afirmando que esta não é SPAM e usando como base uma lei - inexistente - que supostamente trata do assunto. Ora, se a mensagem é legítima, para que o aviso?;

SPAM que se nega
O rodapé afirma que a mensagem não pode ser considerada SPAM por haver uma forma de descadastramento. Argumento fajuto: trata-se de SPAM, sim!

- Aviso de que o usuário é quem deve optar por não receber as mensagens: o rodapé da mensagem pode conter um aviso dizendo que, se a pessoa não quiser receber aquele tipo de mensagem, ela é quem deve se descadastrar, clicando em determinado link ou respondendo ao e-mail (não é recomendável fazer isso);

- Disfarce de newsletter: a mensagem pode se passar por uma newsletter, mas direcionar para ofertas duvidosas ou apontar para notícias manipulativas que têm o intuito de convencer o usuário a realizar uma ação, como apoiar um partido político ou se filiar a uma organização religiosa;

- Argumentos impressionantes: a mensagem pode conter notícias sensacionalistas, teorias conspiratórias, supostas campanhas para pessoas gravemente doentes e assim por diante.

E se a mensagem contiver o meu nome?

Você recebe um e-mail de um site de comércio eletrônico e nota que o seu visual é bem elaborado, o seu conteúdo é descrito sem erros e lá no início da mensagem está escrito o seu nome completo. Mesmo assim, o e-mail pode ser considerado SPAM?

Se você nunca foi cliente da empresa ou não se lembra de ter autorizado o envio de mensagens, é claro que pode! Mesmo que você nunca tenha se cadastrado neste site, é possível que o seu nome e o seu e-mail tenham sido incluídos em uma lista de SPAM (acontece bastante!) ou, ainda, tenham sido repassados indevidamente à empresa por outros meios.

Você saberá mais como evitar este tipo de mensagem no tópico sobre proteção contra SPAMs.


Meios mais utilizados para a prática de SPAM

Como você já sabe, o e-mail é a forma mais utilizada para a propagação de SPAM. Não é de estranhar: o correio eletrônico é uma das ferramentas de comunicação mais utilizadas da internet e não há qualquer perspectiva para que este cenário mude drasticamente no futuro.

Mas o SPAM também é feito a partir de outros meios, basta que estes possibilitem algum nível de propagação em massa. A seguir, os principais.

Serviços de redes sociais

A propagação é feita de acordo com os recursos de comunicação oferecidos pelo serviço. Em comunidades ou grupos, por exemplo, uma pessoa pode aproveitar um tema que está sendo discutido para promover produtos ou serviços relacionados.

Isso é bastante ruim porque interfere negativamente na expectativa de confiança da rede. Ora, se você pede opiniões sobre um produto para decidir entre comprá-lo ou não, espera que as outras pessoas relatem a sua experiência com o item. Mas se alguém responde apenas como o intuito de levar alguma vantagem sobre a sua decisão, pode distorcer o seu relato para convencê-lo.

A propagação de SPAM também pode ser feita por ferramentas específicas para isso. Felizmente, as redes sociais costumam ter mecanismos para barrar esta prática. Muitas delas inclusive permitem colaboração dos usuários: ao encontrar um SPAM ou se deparar com alguém que esteja divulgando este tipo de mensagem, normalmente é possível fazer uma denúncia de maneira discreta.

Comentários em blogs e fóruns

Espaços para comentários em blogs e fóruns de discussão também são bastante visados para a prática de SPAM, mas aqui o objetivo nem sempre é o de fazer com que a mensagem chegue ao leitor: pode se tratar de uma tática para tentar posicionar determinada página nos primeiros resultados de mecanismos de busca.

Explica-se: áreas de comentários e fóruns permitem a inserção de links; teoricamente, quanto mais "linkagem" um site recebe, maiores as suas chances de ficar bem posicionado em pesquisas do Google ou do Bing, por exemplo.

Felizmente, os serviços de busca estão mais "espertos" e conseguem, na maioria das vezes, identificar esta prática. Além disso, é possível utilizar o atributo "nofollow" nos links para fazer com que estes percam valor.

De qualquer forma, administradores de blogs e fóruns devem sempre se atentar ao SPAM para evitar que seus leitores cliquem em links suspeitos.

Formulários de contato de sites

A maioria dos websites oferece formulários para que seus usuários possam contatá-los. O problema é que spammers encontraram aí mais um meio de propagação: eles criam mecanismos (bots) que encontram páginas de formulário e preenchem os campos com conteúdo duvidoso, tudo automaticamente.

Com isso, administradores de sites podem receber dezenas ou até centenas de SPAMs por dia entre os contatos de seus usuários. Felizmente, há recursos que ajudam a evitar estes mecanismos, como o CAPTCHA, que exige que o internauta informe o conteúdo exibido em uma imagem para enviar a mensagem, procedimento que os bots dificilmente conseguem executar.

Avaliações de produtos em sites de comércio eletrônico

Muitos sites de comércio eletrônico disponibilizam espaços para que os clientes possam avaliar determinados produtos. Estas áreas também podem ser utilizadas para SPAM, algumas vezes com o intuito de promover uma suposta oferta em uma loja concorrente, outras para melhorar o posicionamento de certas páginas em mecanismos de buscas e assim por diante.


Dicas para combater o SPAM

O SPAM é um problema crônico na internet, mas é possível adotar algumas medidas para amenizar o problema, isto é, fazer com que menos mensagens do tipo cheguem até você. A seguir, 10 dicas importantes que ajudam nesta tarefa.

1 - Não divulgue o seu e-mail publicamente

Evite divulgar seu e-mail em serviços on-line que podem ser acessados abertamente, como blogs e redes sociais. Isso porque há mecanismos (os já mencionados bots) criados por spammers que analisam estas páginas constantemente para capturar endereços de correio eletrônico.

Quando precisar divulgar seu e-mail a alguém, o faça de maneira privada ou então "camufle" o endereço: se você tem uma conta no Gmail, por exemplo, você pode divulgá-la da seguinte maneira: "fulanodetal @ e-mail do Google".

2 - Cuide da sua privacidade em redes sociais

Seu e-mail ou outros formatos de contato também podem ser capturados em perfis de redes sociais, por isso, utilize os recursos de privacidade destes serviços para evitar que informações pessoais fiquem expostas publicamente. No máximo, limite a sua divulgação aos seus contatos.

Você pode consultar outras dicas de privacidade na internet aqui.

3 - Mantenha seu computador ou dispositivo móvel protegido

Manter seu sistema operacional atualizado, utilizar um antivírus de confiança, tomar cuidado com downloads de arquivos e evitar sites de conteúdo duvidoso são exemplos de cuidados que ajudam a proteger seu computador e dispositivos móveis de malwares que capturam os seus dados ou mesmo utilizam o equipamento indevidamente para emissão de SPAM.

Veja mais orientações de segurança aqui no InfoWester.

4 - Não se cadastre em todo e qualquer site

É bastante comum encontrar sites que permitem que você cadastre seu e-mail para recebimento de newsletter ou outras informações. Estes sites, de fato, podem enviar as informações prometidas, por outro lado, também podem compartilhar a sua lista de cadastros com terceiros ou emitir publicidade indevidamente.

Por isso, avalie bem a necessidade de se inscrever em determinado site. Só o faça quando e se realmente necessário. Se for o caso, crie um endereço de e-mail alternativo somente para estes cadastros.

5 - Ao se cadastrar em um site, verifique a sua política de privacidade

Se você decidiu se cadastrar em um site - uma loja on-line, por exemplo -, deve tomar alguns cuidados antes de fazê-lo: verifique se há uma política de privacidade que garanta o sigilo dos seus dados; ao informar seu e-mail, deixe desmarcada a opção de envio de promoções, informativos e afins (a não ser que você queira, de fato, receber estas mensagens).

Desrmarque estas caixas durante o cadastro, a não ser que você queira receber tais mensagens
Desrmarque estas caixas durante o cadastro, a não ser que você queira receber tais mensagens

Se o site não for claro quanto ao tratamento de seus dados, é recomendável não se inscrever. Se for o caso, novamente vale a dica de inserir um e-mail alternativo criado especialmente para cadastros.

6 - Se a mensagem é SPAM, marque-a como tal

Se você identificou uma mensagem como sendo SPAM, mais do que simplesmente excluí-la, é recomendável marcá-la como tal - a maioria dos serviços de e-mail ou redes sociais tem uma opção para isso.

Ao realizar este procedimento, você ajuda o filtro antispam do serviço a ficar mais preciso e a evitar que a mensagem chegue a outros usuários.

7 - Não responda a mensagens de SPAM

Boa parte dos SPAMs possui avisos com dizeres como "clique aqui se não quiser mais receber nossas mensagens" ou "responda a esta mensagem com o assunto 'Retirar' para excluir seu e-mail de nosso banco de dados". A não ser que você conheça o remetente, é recomendável não fazer isso.

Ao responder à mensagem, o spammer terá certeza de que o seu endereço de e-mail ou perfil em rede social é válido e ativo. A melhor opção é excluir a mensagem e, se possível, reportá-la como SPAM, tal como orienta a dica anterior.

8 - Não encaminhe mensagens alarmantes (hoax)

Se você receber uma mensagem com conteúdo alarmante - por exemplo, relatando o sofrimento de uma pessoa com uma doença grave -, simplesmente apague-a. Este tipo de mensagem é escrito de forma a fazer o leitor não só ficar impressionado como também se sentir culpado ou mesmo revoltado.

Diante destes sentimentos, a pessoa tende a encaminhar a mensagem para seus amigos, seguindo as instruções presentes na mensagens. Não é recomendá-lo fazê-lo porque, além de espalhar uma informação não comprovada, esta ação pode fazer com que um spammer consiga capturar os endereços de e-mail para os quais a mensagem foi reencaminhada.

Saiba mais sobre boatos (hoax) na internet aqui.

9 - Não acesse o site anunciado no SPAM

Você já sabe que o SPAM é incômodo e pode causar diversos problemas. Mas não resistir a uma oferta não solicitada é colocar todos os esforços para combater este mal no lixo! Por isso, evite acessar links presentes em mensagens do tipo e não faça compras em sites que seguem com esta prática.

10 - Considere utilizar "cópia oculta" ao enviar um e-mail para várias pessoas

Se você precisa enviar uma mensagem a duas ou mais pessoas, considere fazê-lo utilizando a opção de "cópia oculta" do e-mail ('Bcc' ou 'Cco'). Este procedimento diminui o risco de os endereços destes contatos serem coletados caso a mensagem, de alguma forma, vá parar em um site público ou seja acessada em um computador contaminado por um malware capaz de capturar estas informações.


E-mail Marketing é SPAM?

Uma prática bastante comum na internet é a que se conhece como E-mail Marketing. O nome descreve com a exatidão a sua finalidade: promover campanhas de marketing (promoções, oferta de produtos exclusivos, descontos, entre outros) para uma base de e-mails.

A questão é que a linha que separa o E-mail Marketing do SPAM é muito tênue: basicamente, se o usuário permitiu o envio da mensagem, trata-se de E-mail Marketing, uma atividade legítima e não prejudicial; se não permitiu, é SPAM, por mais que a campanha seja profissional.

Quando o E-mail Marketing é feito corretamente - o cadastro ocorre com o consentimento do usuário, este pode se descadastrar a qualquer momento e assim por diante -, as chances de negócio são maiores, uma vez que, se a pessoa concordou em receber aquele conteúdo, está mais disposta a fazer uma compra ou realizar outra ação.

Portanto, para quem deseja trabalhar com esta forma de divulgação, é importante seguir algumas recomendações simples, mas essenciais, como:

  • Deixar claro que tipo de conteúdo o usuário receberá ao se cadastrar;
  • Permitir que a pessoa descadastre o seu endereço a qualquer momento;
  • Não enviar ofertas enganosas ou distorcidas;
  • Não iniciar uma campanha com listas de e-mail adquiridas de terceiros - se o fizer, estará praticando SPAM.

Finalizando

O SPAM é bastante difundido na internet porque, apesar de todos os problemas, é uma prática que funciona (dá resultado ao emissor). Por isso, é importante se manter informado sobre o assunto e tomar medidas capazes de combater o problema. Neste sentido, além de pôr em prática as orientações dadas aqui, é importante também instruir pessoas próximas, como familiares, amigos e colegas de trabalho.

Aqui no InfoWester, é possível conferir outros artigos que tratam de segurança digital:

Escrito por - Publicado em 17_05_2013 - Atualizado em 17_05_2013