Por que os tablets não precisam de cooler?

Emerson, depois de ler a sua análise do Samsung Galaxy Tab 2 10.1, decidi comprar um tablet, mas de 7 polegadas, provavelmente. A questão é que, pesquisando mais sobre o fator desempenho, descobri que alguns modelos têm uma capacidade gráfica muito boa. Daí surgiu a dúvida: esses tablets devem usar chips mais poderosos – sendo assim, por que eles não precisam de coolers, tal como os notebooks?

Hugo M. dos Santos, Belo Horizonte – MG.

Pergunta deveras interessante, Hugo! Tablets, smartphones e outros dispositivos móveis, de fato, não precisam de cooler ou qualquer outro dispositivo de refrigeração comuns aos PCs porque, basicamente, geram menos calor. E há mais de um motivo para isso.

Para começar, tablets e afins são totalmente baseados em componentes eletrônicos, não possuindo itens mecânicos, como HDs (há um motor que faz os discos destes girarem) ou drives de DVD e Blu-ray. Não havendo partes mecânicas, o consumo de energia é menor, assim como a geração de calor.

O fator mais importante, no entanto, talvez seja a arquitetura do tablet. Estes dispositivos podem mesmo executar gráficos 3D e outras aplicações pesadas, mas não o fazem com o mesmo desempenho de um PC. Até mesmo o processador de um notebook econômico é, normalmente, mais potente que a CPU de um tablet sofisticado.

Tablets não necessitam de cooler e outros dispositivos de controle de temperatura comuns aos PCs

Tablets não necessitam de cooler e outros dispositivos de controle de temperatura comuns aos PCs

O que acontece é que os chips para desktops e laptops são mais abrangentes: são compatíveis com a enormidade de tecnologias que expandem o funcionamento do computador, executam simultaneamente múltiplas tarefas exigidas pelo sistema operacional e podem lidar com grandes volumes de dados. Repare que você consegue ter vários dispositivos diferentes conectados ao seu PC e manter dezenas de aplicativos abertos, alternando rapidamente entre eles. Nos tablets, estas possibilidades são mais limitadas.

Como a arquitetura de um tablet é mais “focada”, isto é, não necessita suportar tantos recursos, estes dispositivos podem executar tarefas mais complexas com menor processamento, o que resulta em consumo reduzido de energia e, portanto, níveis de temperatura mais brandos.

Mesmo com estas características, um tablet ainda é capaz de gerar calor, mas como seus componentes internos geralmente são mais compactos e próximos uns dos outros, a sua dissipação é mais fácil de ser feita – em muitos casos, simples suportes de metal são suficientes para este fim.