PROCON-SP divulga ranking das empresas com mais reclamações sobre entregas

Comércio eletrônico se destaca

Ilustração de botão ComprarO PROCON-SP disponibilizou nesta quinta-feira (03/03/2011) um ranking que mostra quais são as dez empresas que mais tiveram reclamações sobre entrega de produtos e serviços durante os meses de novembro de 2010 a janeiro de 2011. Juntas, estas companhias motivaram 2.405 queixas de um total de 4.838, representando um aumento de 79% no número de registros em relação ao mesmo período do ano passado. São elas:

  1. B2W (Americanas.com, Submarino e Shoptime): 1.023 queixas;
  2. Comprafacil.com: 463 queixas;
  3. Telefônica: 182 queixas;
  4. Pontofrio.com: 149 queixas;
  5. Walmart: 112 queixas;
  6. Magazine Luiza: 109 queixas;
  7. Lojas Ponto Frio: 100 queixas;
  8. TIM: 99 queixas;
  9. Casas Bahia: 89 queixas;
  10. Fator Digital: 79 queixas.

De acordo com o PROCON-SP, o objetivo da lista é o de “dar ao consumidor melhores condições para exercer seu direto à escolha na hora de contratar produtos e serviços pela internet, mostrando a ele quais são as empresas desse segmento que mais descumprem os contratos”. Como é possível perceber, as lojas on-line são as que mais causaram reclamações no período.

O PROCON-SP orienta o consumidor que tiver problemas com entregas a procurar uma unidade de atendimento mais próxima para registrar sua reclamação. Para quem reside no estado de São Paulo, a entidade oferece também atendimento pelo endereço www.procon.sp.gov.br/atendimento.asp, canal que funciona exclusivamente para problemas relacionados ao comércio eletrônico.

Referência: PROCON-SP.





1 comentário:

  1. Max


    Comercio via internet, vai quebrar o comercio formal em toda sua amplitude , o comercio formal existe de verdade e é rigorosamente fiscalizado pelo estado, o comercio virtual é exatamente isso virtual, parece que existe,mais não existe de verdade, não paga imposto e não gera emprego. Mais tarde não reclama quando seus filhos, netos e outros parentes estiverem desempregados é culpa dos incentivadores desse tipo de comercio predador que só enriquece os sonegadores, o estado não tem como fiscalizar. Já demiti 10 funcionários de uma loja que fechei e vou fechar a outra, pois o comercio formal não consegue competir com a internet. O cliente sempre fala que na internet e mais barato. É evidente, eles não pagam aluguel,funcionários, tributos trabalhista e imposto.