DVD: tipos, capacidades e outras características

Introdução

DVD é a sigla para Digital Versatile Disc ou Digital Video Disc. Trata-se de uma mídia para armazenamento de dados que também é bastante utilizada para distribuição de filmes. Neste texto, conhecerá os principais tipos de DVDs existentes - DVD-RAM, DVD-ROM, DVD-R, DVD+R, DVD-RW e DVD+RW - e outras características da tecnologia, como capacidades e controle geográfico.


O que é DVD

O DVD, como já dito, é um tipo de mídia para armazenamento de dados ou uso em aplicações multimídia (filmes, jogos e assim por diante). Do mesmo tamanho de um CD convencional (12 centímetros de diâmetro, embora possa ser encontrado em outras versões), o DVD se diferencia deste último por sua capacidade de armazenamento de dados muito maior, feito possível graças a algumas técnicas no processo de gravação.

Todos as especificações e normas de desenvolvimento do DVD são executados e mantidos pelo DVD Forum (www.dvdforum.org), entidade formada pelas principais companhias que atuam nos segmentos de entretenimento e produtos eletrônicos.

No início do desenvolvimento da tecnologia, a intenção dos fabricantes, de modo geral, era a de conquistar o mercado de aplicações de vídeo, até então dominada pelas tradicionais fitas VHS (Video Home System). Com esta meta em foco, o DVD conseguiu obter sucesso rapidamente, embora não facilmente: as primeiras unidades do padrão mais popular de DVD - com 4,7 GB capacidade e conhecido como DVD-5 - foram testadas em modelos de equipamentos de diversos fabricantes e, em muitos casos, apresentaram problemas relacionados com a qualidade de vídeo - dependendo da marca do dispositivo, o disco sequer era lido.

Mídia de DVD
Mídia de DVD

Graças aos problemas iniciais, ajustes foram sendo implementados e, por fim, a indústria se convenceu de que o DVD se tornaria um padrão bem estabelecido para armazenamento de dados e aplicações de vídeo, o que de fato ocorreu.


Capacidades de armazenamento dos DVDs

O grupo DVD Forum criou mídias DVD com capacidades de armazenamento de dados variadas. Além do já mencionado DVD-5, com 4,7 GB, tem-se o DVD-9 (8,5 GB) e o DVD-10 (9,4 GB), por exemplo. Neste último, os dois lados do disco são usados. Como cada lado possui 4,7 GB, logo tem-se 9,4 GB de capacidade de armazenamento.

O grande problema do DVD-10 - que certamente o fez não ser popular - é o fato de ser necessário virar o disco quando o outro lado precisa ser lido, tal como acontece com as clássicas unidades de vinil, por exemplo.

Neste aspecto, o padrão DVD-9 se apresenta como uma alternativa interessante: discos do tipo possuem 8,5 GB de capacidade de armazenamento em um único lado. Explica-se: o DVD-9 utiliza duas camadas (Dual Layer) para armazenar os dados. Elas são praticamente "fundidas", podendo ser distinguidas apenas pelo laser do aparelho leitor. O problema é que a fabricação deste tipo de disco é custosa, razão pela qual o DVD-9 também não se tornou muito popular.

A tabela abaixo relacionada os principais tipos de DVD do ponto de vista da capacidade. É possível observar que os números na denominação fazem referência à quantidade aproximada de gigabytes que cada variação pode armazenar.

Padrão Face Camadas Diâmetro Capacidade
DVD-1 simples uma 8 cm 1,5 GB
DVD-2 simples duas 8 cm 2,7 GB
DVD-3 dupla duas 8 cm 2, 9 GB
DVD-4 dupla duas + duas 8 cm 5,3 GB
DVD-5 simples uma 12 cm 4,7 GB
DVD-9 simples duas 12 cm 8,5 GB
DVD-10 dupla duas 12 cm 9,4 GB
DVD-14 dupla uma + duas 12 cm 13,2 GB
DVD-18 dupla duas + duas 12 cm 17 GB

Repare que os padrões DVD-4 e DVD-18 são bastante peculiares: ambos podem armazenar dados nos dois lados do disco, sendo que cada um conta com duas camadas, daí a descrição "duas + duas" na tabela. O DVD-14 é semelhante, com a diferença de que um dos seus lados possui apenas uma camada.

O porquê de tanta capacidade

Como você já sabe, o padrão mais popular de DVD - o DVD-5 - conta com 4,7 GB de capacidade para armazenamento de dados. Um CD convencional, por sua vez, possui apenas 650 MB de capacidade, mesmo possuindo igual diâmetro, 12 centímetros. Como o DVD consegue ser quase 7 vezes superior neste aspecto?

A "mágica" começa no processo de fabricação da mídia do DVD, onde o espaçamento entre as trilhas (cavidades que orientam a gravação de dados) foi reduzido de 1,6 mícrons (padrão nos CDs) para 0,74 mícrons. Já o menor tamanho do dado que pode ser gravado na superfície do disco caiu de 0,83 (também padrão nos CDs) para 0,40 mícrons. Por fim, o comprimento de onda do laser dos aparelhos leitores passou de 780 nanômetros (CDs) para aproximadamente 650 nanômetros, o que é suficiente para a leitura.


Tipos de DVD

Os DVDs não variam apenas no que diz respeito à capacidade de armazenamento. Também é possível encontrar diferenças na aplicação: há DVDs que apenas podem ser lidos, DVDs que podem ser gravados pelo usuário uma única vez e DVDs regraváveis. Vejamos os principais tipos.

DVD-ROM

O DVD-ROM é o tipo mais comum, pois é usado, por exemplo, para distribuir filmes ou gravações de shows musicais. Assim como um CD de programa ou de música, já vem com seu conteúdo gravado de fábrica. Não é possível apagar ou regravar dados nesse tipo de DVD.

DVD-RAM

Pouco utilizado, este é um tipo de DVD gravável e regravável. Sua principal vantagem em relação aos outros padrões é a sua vida útil: por padrão, um DVD-RAM suporta mais de 100 mil gravações, sendo muito útil para backups (cópias de segurança) periódicos. Além disso, este tipo de DVD geralmente pode ser usado sem um programa de gravação específico, como se fosse um HD.

Os primeiros DVDs do tipo possuíam 2,9 GB de capacidade e ficavam dentro de uma capa protetora, devido a sensibilidade da mídia à sujeira e a marcas de dedo. Versões seguintes surgiram oferecendo capacidade de gravação de 4,7 GB a 9,4 GB, não necessitando mais da referida capa.

DVD-R

Este tipo é um dos apresentam maior aceitação nos mais diversos aparelhos. É a melhor opção para a gravação de filmes, pois é aceito por praticamente todos os DVD-players, com exceção para alguns dos primeiros modelos. O DVD-R, assim como o seu antecessor CD-R, só aceita gravação uma única vez e, após isso, seus dados não podem ser apagados. Sua capacidade de armazenamento padrão é de 4,7 GB.

DVD+R

Este tipo é equivalente ao DVD-R, inclusive na capacidade de armazenamento, de 4,7 GB. O DVD+R também só pode ser gravado uma única vez e não permite eliminação de seus dados. O que o DVD-R tem de diferente do DVD+R, então? Pouca coisa, sendo a principal diferença o fato de os dados gravados em um DVD+R serem mais rapidamente acessados do que em um DVD-R, característica proveniente do processo de fabricação deste último, que é ligeiramente distinto. Em termos práticos, no entanto, esta diferença no acesso aos dados é pouco perceptível.

DVD-RW

O DVD-RW é equivalente ao CD-RW, pois permite gravação e regravação de dados no disco. A grande maioria dos DVD-players é totalmente compatível com este padrão, mas exige que a mídia esteja "fechada" para executar filmes. Mídia "aberta" significa que o usuário pode inserir dados de maneira gradativa, até que o espaço disponível seja totalmente utilizado. Porém, se a pessoa "fechá-la" (isso é feito por meio do software de gravação), a gravação de novas informações é impossibilitada, sendo necessário formatar o DVD-RW para reutilizá-lo.

Assim como seu "irmão" DVD-R, a capacidade de armazenamento padrão do DVD-RW é de 4,7 GB.

Gravador / leitor de DVDs para desktops
Gravador / leitor de DVDs para desktops (Imagem por Benq)

DVD+RW

Este formato tem quase as mesmas características do seu "rival" DVD-RW, inclusive na capacidade de armazenamento, cujo padrão também é de 4,7 GB. No DVD+RW, também é necessário "fechar" a mídia para a execução de filmes em DVD-players. Na prática, sua diferença em relação ao DVD-RW está na velocidade de gravação ligeiramente maior e na possibilidade de uso de tecnologias como Lossless linking e Mount Rainier que permitem, respectivamente, interromper uma gravação sem causar erros e alterar dados de apenas um setor sem necessidade de formatar o disco.


Dual Layer e Double Layer

Um DVD que tenha a já mencionada tecnologia Dual Layer é capaz de armazenar 8,5 GB, como você já sabe. Isso é possível graças à aplicação de duas camadas de dados em um único lado da mídia. Para tanto, uma camada é feita de um material que causa um efeito de "semi-transparência", permitindo que o feixe de laser do aparelho consiga acessar a segunda camada "atravessando" a primeira.

E a tecnologia Double Layer, nome também pode ser encontrado quando o assunto é DVD? Há quem pense que discos do tipo são aqueles que permitem gravação em ambos os lados. Porém, isso é um engano: mídias assim são denominadas double side ou face dupla.

A tecnologia Double Layer é, na verdade, equivalente ao padrão Dual Layer. O que acontece é que o primeiro tipo é a denominação padrão do DVD-R que possui tal tecnologia (também chamado de DVD-R DL). O segundo, por sua vez, é aplicado em mídias DVD+R. Você vai entender o motivo dessa duplicidade no próximo tópico.


DVD Forum versus DVD+RW Alliance

Agora que você já conhece os tipos de DVDs mais importantes, deve estar querendo saber o motivo de tamanha variedade, uma vez que há padrões bastante similares. A resposta, em resumo, está na disputa entre duas entidades: DVD Forum e DVD+RW Alliance.

O consórcio DVD Forum é formado por gigantes como Time Warner, Pionner e Toshiba, e apoia as especificações dos padrões DVD-ROM, DVD-RAM, DVD-R e DVD-RW. Por sua vez, o consórcio DVD+RW Alliance (ou DVD Alliance) foi constituído inicialmente por empresas como Dell, HP e Sony para apoiar padrões de DVD parecidos, cuja diferenciação é feita pelo sinal de positivo nos nomes (DVD+R e DVD+RW) e pelo uso do termo Double Layer nas mídias com duas camadas.

O DVD Forum detém os direitos sobre o logotipo (visto abaixo) da tecnologia DVD, razão pela qual os fabricantes de DVD+R e DVD+RW não inserem essa imagem nas embalagens de tais produtos. Todavia, algumas destas empresas exibem um logotipo com os dizeres RW nas mídias, mesmo naquelas que são somente graváveis (DVD+R), o que pode gerar confusão.

Símbolos do DVD Forum (à esquerda) e da DVD+RW Alliance (à direita)
Símbolos do DVD Forum (à esquerda) e da DVD+RW Alliance (à direita)

Os dois grupos começaram a disputar mercado, cada qual defendendo seus formatos. Isso fez com que alguns fabricantes disponibilizassem gravadores de DVDs compatíveis apenas com DVD-R/RW e outros o fizessem somente para os formatos DVD+R/RW.

Quem venceu essa disputa? Ninguém. Todos os padrões oferecidos acabaram sendo bem aceitos. Eis a razão da existência de tantos formatos. Como as empresas não demoraram a se dar conta disso, é bastante comum encontrar gravadores de DVD compatíveis com todos os padrões, o que fez com que a maior parte das companhias envolvidas apoiasse, por fim, os dois consórcios.


Controle geográfico

A indústria cinematográfica foi a que mais se beneficiou do DVD: este tipo de mídia é mais barato, mais durável e oferece melhor qualidade de imagem quando comparado às velhas fitas VHS. O problema é que este padrão também facilita o contrabando e a pirataria.

Por causa disso (pelo menos é o que as empresas alegam), um controle geográfico foi criado: um DVD fabricado em determinada região não roda em aparelhos desenvolvidos para funcionar em outras. Esta divisão é feita em seis regiões, cada uma contemplando um grupo de países:

  • Região 1: Estados Unidos, Bermuda e Canadá;
  • Região 2: Maior parte dos países da Europa e do Oriente Médio, Japão, Egito e África do Sul;
  • Região 3: Sudeste e leste da Ásia, incluindo Hong Kong;
  • Região 4: América Latina, Caribe, Austrália, Nova Zelândia e Ilhas do Pacífico;
  • Região 5: Rússia, Ucrânica, Índia, maior parte da África, Ásia Central, Sul da Ásia, Coréia do Norte e Mongólia;
  • Região 6: China.

Com esta organização por região, um DVD fabricado para o Canadá (região 1) não funcionará em um aparelho feito para o mercado japonês (região 2), por exemplo. Para que este controle seja possível, é dado aos aparelhos de DVD o código da região para a qual ele foi produzido. Assim, o dispositivo só rodará filmes cujos discos tiverem o mesmo número.

Mapa da divisão por região (Imagem por Wikipedia)
Mapa da divisão por região (Imagem por Wikipedia)

Vale citar que se o disco não possuir nenhum código, poderá ser executado em qualquer unidade de DVD. Também é válido frisar que um disco pode ter mais de um código, podendo rodar nas regiões correspondentes.


Finalizando

Assim como o CD, o DVD também tem uma tecnologia "substituta": o Blu-ray, que se destaca por oferecer até 25 GB em uma única camada do disco, equivalente a 6 horas de vídeo em alta definição.

Este formato se firmou no mercado após disputar espaço com a tecnologia HD-DVD, que acabou não se firmando. Mas, mesmo se saindo "vencedor", o Blu-ray não conseguiu conquistar tanto mercado quanto o DVD em seu auge: ambas as tecnologias estão sendo cada vez menos utilizadas por causa do aumento no número de serviços que transmitem filmes pela internet (streaming) e pelo uso de dispositivos de armazenamento de dados mais intuitivos, como pendrives e HDs externos.

Escrito por - Publicado em 08_11_2006 - Atualizado em 26_03_2013

Confir aqui preços de DVDs diversos (Via Shopping UOL)