Universidade canadense faz funeral para mainframe (hilário!)

A notícia já é velha, descobri por acaso ao fazer uma pesquisa no Slashdot, mas é tão engraçada que resolvi escrever sobre ela aqui:

Em meados de novembro de 2007, funcionários da área de TI da Universidade de Manitoba, em Winnipeg, Canadá, fizeram um funeral para se despedir de Betelgeuse, um mainframe IBM 650 que prestou serviços à instituição de ensino por 47 anos, sendo responsável pelo processamento de dados de pesquisas de estudantes, de tarefas de recursos humanos, de cálculos financeiros, entre outros. No dia 22 de outubro de 2007, Betelgeuse foi desconectado da internet e, posteriormente, inutilizado, “ponto fim a uma geração de mainframes” em Manitoba.

O funeral teve direito a banda musical, a homenagens com flores e até a um “emocionante” discurso:

“Por 47 anos você nos serviu bem e, com o seu feitiço verde, nos encantou. Você processou transações sem reclamar, por isso nós pedimos ao Papa que o canonize (…)

(…) E os programadores que tinham todas as ferramentas das quais precisavam, programavam em Easytrieve e Cobol como se fosse uma brisa (…)

(…) Nos despedimos de você e vamos lembrá-lo bem. Depois de 47 anos, há muitas histórias para contar (…), como quando o bug do ano 2000 nos colocou sobre grande apreensão.

Você nos ajudou a alcançar nossos objetivos acadêmicos e deu aos nossos processos administrativos uma boa perspectiva. Mas agora, nós devemos colocá-lo sob a flora (aposentá-lo), pois temos que lidar com essa Aurora sangrenta.

Assim, nos comprometemos a reciclar suas peças. Terra à Terra. Cinzas às cinzas. Poeira à poeira. Ao deus dos computadores que, por favor, o abençoe e lhe dê graça e paz. Mas, por favor, não o ressuscite.”

É possível encontrar o discurso completo aqui. Mais detalhes sobre o funeral nesta página.

Referências: Slashdot, NetworkWorld.

Emerson Alecrim





  • Muito bom… imagina conviver por 47 anos com um mainframe! É mais do que parte da história da universidade.

  • Emerson Alecrim

    Deve ter sido bem agradável. O pessoal aparentava estar muito triste no “funeral”, hehehe…