Um bilhão de usuários: o Facebook conseguiu!

Criado em 2004, o Facebook passou cerca de dois anos como um serviço restrito a universitários. Uma rede social só para estudantes, mas que não foi criada para estudar, veja só. É que, de uma forma ou de outra, o objetivo ali sempre foi o de explorar as relações humanas. Foi por isso que, em setembro de 2006, Mark Zuckerberg e seus poucos funcionários resolveram abrir o Facebook para toda e qualquer pessoa. Seis anos depois, o resultado é este: mais de um bilhão de pessoas curtiram a ideia.

Facebook

Sim, na manhã desta quinta-feira (04/10/2012), Mark Zuckerberg publicou uma curta nota para dizer que o Facebook alcançou em 14 de setembro (2012) a marca de um bilhão de usuários ativos mensais. Isso significa que um bilhão de pessoas acessam o Facebook pelo menos uma vez por mês. “Só” isso.

Há vários fatores que ajudaram o Facebook a chegar neste patamar, como disponibilidade em vários idiomas, acesso a partir de várias plataformas (até mesmo em celulares mais simples) e facilidade de uso (sim, os recursos mais importantes do Facebook são fáceis de usar). Mas o ingrediente principal é aquele que faz com que os usuários entrem para o Facebook e fiquem: as outras pessoas.

O feed de notícias é uma jogada e tanto! Ora, você não precisa entrar no perfil de cada um de seus amigos para saber de suas novidades. Qualquer atualização deles irá aparecer ali, bem na sua frente, sem contar a coluna no lado direito que mostra tudo o que eles estão fazendo agora: comentando fotos, adicionando novas pessoas, compartilhando links, etc.

Aliás, o truque está aí, na interação: quando você compartilha uma notícia no Facebook, publica uma foto ou simplesmente faz um comentário, espera a reação das outras pessoas, mesmo que seja daquelas que lhe são pouco conhecidas. Vai me dizer que você se não frustra, mesmo que levemente, quando ninguém curte, comenta ou compartilha uma atualização sua?

E não para por aí: o Facebook cruza várias informações para sugerir pessoas que você provavelmente conhece, mas que não sabia que estavam lá, assim como analisa com quais perfis você mais se relaciona para priorizar as novidades destes. Assim, como eu disse anteriormente, o usuário encontra motivos não só para entrar no Facebook, como também para ficar lá.

Vídeo comemorativo da marca de 1 bilhão de pessoas

Por explorar tão bem os relacionamentos humanos, o Facebook “conquistou o mundo”. Os números nos ajudam a ter uma pequena noção deste alcance todo. Até 14 de setembro de 2012:

  • 129 bilhões de fotos haviam sido publicadas no Facebook, sem considerar as que foram excluídas;
  • 140,3 bilhões de amizades haviam sido registradas;
  • O botão Curtir (Like) havia sido utilizado 1,13 trilhão de vezes;
  • 62,6 milhões de músicas foram escutadas 22 bilhões de vezes;
  • Pelo menos 600 milhões de pessoas acessaram a rede social a partir de dispositivos móveis.

É difícil saber se e até quando esta hegemonia toda irá durar. Estando em tamanha evidência, a empresa precisa encontrar fontes eficientes de receita, reverter as consequências de sua entrada decepcionante na bolsa, eliminar os mais de 80 milhões de perfis falsos que atrapalham suas estatísticas e ficar de olhos bem abertos com o Google, que está fazendo de tudo para emplacar o Google+. Com um bilhão de usuários, parece ser fácil superar estes desafios, mas só parece.

Emerson Alecrim





  • Luiz

    O Facebook conseguiu um bilhão de usuários porque usou um método desonesto por enviar e-mails falsos, em nome do associado, a partir da lista de contatos, convidando o destinatário para participar do facebook. Eu recebi diversos desses e-mails de amigos e colegas que não haviam me enviado o convite para participar do facebook. O argumento de que há uma opção para não enviar e-mail para seus contatos, convidando para participar do facebook, não é válido, pois pouquíssimas pessoas conheciam esta opção. É por isso que não tenho e nunca terei uma página no FACEBOOK.