Telefônica quer cobrar tráfego de dados da Google, mas quem pagará a conta é você

Cabo de rede e moedas em alusão à neutralidade na internetCésar Alierta, presidente da Telefônica, foi direto e reto: em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (08/02/2010) em Madri, Espanha, o executivo declarou que a empresa considera seriamente cobrar de companhias como Google e Yahoo! pelo uso de sua estrutura de rede.

Não é de hoje que operadoras de telecomunicações estão se queixando do alto tráfego gerado por grandes serviços da internet. Essas companhias afirmam que investem pesado na infraestrutura de suas redes para suportar o aumento constante da utilização da internet, o que acaba beneficiando gratuitamente serviços da Google, da Yahoo!, da Microsoft e outros que, juntos, respondem por uma boa parte dos dados que circulam na rede mundial de computadores.

Vendo por essa lado, parece justo, não é? Mas vamos ver por outro, o seu: quem é que utiliza os serviços de empresas como Yahoo! e Google? Sim, eu, você, nós! Em qualquer parte do mundo, as pessoas pagam provedores para ter acesso livre à internet. Do que adianta pagarmos por conexões de banda larga se não podemos aproveitar tudo o que a internet oferece?

Se as empresas que trabalham na internet forem obrigadas a pagar pelo tráfego de dados de seus serviços, quem vai pagar a conta, na verdade, seremos nós, que já pagamos para ter acesso à grande rede. Uma alternativa seria limitar a quantidade de dados que cada usuário utiliza diariamente. Já pensou como seria divertido ter seu acesso no Gmail, por exemplo, bloqueado porque sua cota do dia já foi consumida?

E o que seriam das empresas que se negassem a pagar pelo tráfego gerado? Também teriam uma cota diária de dados? Ou o acesso aos seus serviços seria limitado e consequentemente lento, mesmo que você esteja pagando (caro) por uma conexão bem rápida? Acredite, isso pode acontecer.

Em resumo, convencionou-se chamar de neutralidade da rede (net neutrality) o tratamento igual e o acesso livre a qualquer informação na internet. Ao cobrar pelo tráfego de grandes empresas, as companhias de telecomunicações vão é acabar com esse princípio. Além da Telefônica, prestadoras da Europa e dos Estados Unidos, como AT&T e Comcast, lutam para, ao que parece, controlar como e o que você pode ver na internet.

Caso essas companhias consigam o que querem, certamente não se limitarão a cobrar apenas pelo tráfego gerado por grandes empresas. A regra básica vai ser: quem paga mais vai ser mais acessado e ponto final. As prestadoras terão inclusive maior liberdade para controlar os downloads que você faz, o chamado traffic shaping.

E note que, como piada pronta é bobagem, vai ser até mais fácil para essas empresas oferecerem conexões à internet com velocidades altíssimas: você não vai ter como aproveitar tudo isso mesmo…

Emerson Alecrim