Kinect no combate à obesidade infantil

Bartolomé Burguera decidiu comprar um Xbox 360 de presente para a filha no Natal de 2010. Junto ao console, adquiriu um Kinect. A garota ficou bastante feliz com o presente, é claro, e tratou de aproveitá-lo. Mas, nesta história toda, houve uma surpresa: Burguera percebeu que a filha emagrecia à medida que jogava com o Kinect. Foi aí que o pai da menina decidiu fazer um experimento com o assunto.

Acontece que Bartolomé Burguera é pesquisador do Instituto Universitário de Ciências da Saúde de Baleares, um arquipélago pertencente à Espanha. Tendo como referência o emagrecimento de sua filha, Burguera esperou as férias da Semana Santa passarem para começar os testes: disponibilizou consoles com o Kinect para que cerca de 1.200 estudantes da ilha com idade entre seis e quatorze anos pudessem ter uma motivação para se exercitar. Alguns alunos inclusive receberam o console em casa, por estarem com mais peso.

O resultado do estudo só estará disponível em 2012, mas já é possível observar mudanças positivas: considerando três horas de atividade com o Kinect por semana, os alunos queimam cerca de 500 calorias no período. Além disso, notou-se também progressos na postura dos estudantes.

Jogando Kinect

Se estudarmos a questão mais a fundo, veremos que, nos últimos anos, o comportamento da molecada mudou, por uma série de motivos. Muitas crianças passam muito tempo na frente do computador, da TV ou do videogame. Muitas vezes, os país até preferem que isso aconteça para que os filhos não sejam expostos à violência das ruas ou por não haver espaço adequado para as crianças em condomínios. As consequências não poderiam ser outras: de acordo com a instituição em que Bartolomé Burguera trabalha, os jovens precisam se exercitar em nível correspondente a 10 mil passos por dia, mas apenas poucos passam de 2 mil. E alguém duvida?

Porém, acredito que comprar um Kinect ou mesmo um Nintendo Wii não vai resolver o problema. O que o experimento de Burguera faz, na verdade, é evidenciar a negligência que damos à nossa saúde ao levarmos um estilo de vida sedentário. E é claro que este problema se agrava em relação às crianças, pois se não orientadas a tempo, levarão este comportamento perigoso à fase adulta.

O que precisamos mesmo é conciliar a atenção aos recursos tecnológicos da atualidade com uma alimentação saudável, mais passeios no parque, mais esportes nas escolas, mais andadas de bicicleta e assim por diante. Simples falar, mas para colocar em prática…

Referência: ELPAÍS.com.