Internet banking no Brasil e a questão da orientação

Ilustração de internet bankingNa semana passada, publiquei uma notícia aqui no InfoWester informando que a internet já é o principal meio para transações bancárias no Brasil, de acordo com o Banco Central. Mas o fato é que ainda falta muito para essa modalidade se tornar, por assim dizer, trivial para a maioria dos internautas brasileiros. O motivo? Falta de segurança. Ou de orientação.

É o que diz esta nota publicada no último dia 10 na Agência Brasil. E eu concordo plenamente. Acredite, os bancos brasileiros investem pesado em segurança, mas isso pouco adianta quando há vulnerabilidade também no lado de fora da tela: nas pessoas.

Vamos tomar como exemplo aqueles frequentes e-mails falsos que falam que você precisa atualizar dados da sua conta bancária. Você percebe que a mensagem usa o nome “Itau” em vez de “Itaú”, que o campo de destinatário tem vários endereços de e-mail juntos ao seu, que o link presente na mensagem aponta para uma URL totalmente suspeita e que há diversos erros gramaticais no texto.

Você exclui imediatamente esse e-mail ao notar que ele é falso, mas acredite, muita gente não percebe que se trata de um golpe. E, muitas vezes, não é só por falta de experiência na utilização da internet, mas também por dificuldades de assimilação. Dias atrás, orientei um vizinho sobre esse tipo de mensagem, mas como é que ele poderia notar os erros gramaticais se ele mesmo tem dificuldades para escrever?

É uma situação cada vez mais complicada. Os bancos acabam tentando reforçar sua segurança implementando tecnologias e procedimentos que tornam o acesso aos serviços bancários cada vez mais complicados. Isso até pode melhorar a segurança, mas também afasta potenciais utilizadores e irrita quem, por algum tipo de restrição, não consegue efetuar o que queria no site do banco.

Pelo menos no curto e no médio prazo, não há solução que resolva essa questão, isto é, a de deixar o internet banking mais seguro, mais fácil de se usar e, consequentemente, mais popular. O melhor a ser feito é amenizar o problema combinando tecnologias de segurança com orientação constante ao usuário, de forma que este conheça não só os cuidados necessários para acessar serviços bancários on-line, mas também para que possa entender os cuidados que deve ter na internet como um todo. Tarefa difícil, mas não impossível.

Emerson Alecrim





  • Lucas Bocchi

    Concordo contigo, Emerson.
    Trabalho no caixa de um banco e vejo todos os dias as pessoas virem ao caixa e aguardarem filas imensas para fazer coisas que poderiam fazer comodamente em suas casas.
    Como sou um grande entusiasta do uso de internet banking, muitas vezes sugiro às pessoas utilizarem esse serviço. Mas na maioria dos casos as pessoas são resistentes, alegando que tem medo de usar, e não tiro a razão delas. A verdade é que elas não sabem usar a internet mesmo. E ensinar detalhes tão sutís é difícil.
    Mas penso que isso seria uma oportunidade. Lembro que minha tia (que eh gerente de finanças de uma empresa), certa vez falou que gostaria de aprender a usar os sites dos bancos. Então… quem sabe não seja uma oportunidade para alguém criar cursos para as pessoas… para ensinar como tirar o máximo proveito desses serviços a ver os detalhes necessários para não cair em armadilhas.
    Os próprios bancos querem muito que as pessoas utilizem a internet, mas parecem não fazer muito para promover isso. Na maioria das vezes sequer tem um 0800 decente com gente que saiba ajudar os clientes.
    De qualquer forma, fiquei feliz de ver a notícia a respeito da utilização do internet banking. E fiquei surpreso também. Achei que a utilização desses serviços fosse bem pequena.