Intel se desculpa por anúncio supostamente racista

Trabalhar com publicidade exige ousadia, criatividade e imaginação. Mas, é necessário combinar esses elementos tomando cuidado para não ultrapassar o limite do bom senso. É claro que, dependendo do caso, alguém pode ultrapassar esse limite intencionalmente, mas creio que não foi o caso da Intel.

Blogs internacionais, entre eles o famoso Gizmodo, criticaram um anúncio da Intel criado para promover a linha de processadores Core 2 Duo por causa de uma imagem pra lá de estranha: ela mostra um homem branco de pé em um escritório cercado por seis atletas negros. Até aí, nada de mais, o problema é que os atletas estão agachados, como se posicionados como corredores antes da largada, mas a sensação que se tem é a de que eles estão se curvando diante do homem ao meio.

Anúncio supostamente preconceituoso
 
Mas o problema não é só esse. O anúncio também exibe a frase “Multiply computing performance and maximize the power of your employees” que, em bom português, quer dizer “multiplique sua performance computacional e aumente o poder de seus empregados”. Ao associar essa frase à imagem, muitos entenderam que os atletas representam os empregados, mas de forma extremamente submissa e preconceituosa, já que eles são negros, e o executivo com pose de bem-sucedido é branco.

A própria Intel reconheceu que o anúncio realmente tem características que o tornam racista, mesmo que sem intenção. Por isso, pediu desculpas e tratou de cancelar o anúncio bem a tempo de evitar que ele fosse divulgado em revistas, jornais e outros meios.

A Intel reconheceu a falha e trabalhou rápido para corrigí-la, mas não conseguiu evitar a suspeita de ela pode ter agido de má fé. Não é para tanto, vai! A Intel é uma empresa séria por demais para cometer crime de racismo. Na minha opinião, foi apenas uma idéia mal trabalhada.

Referências: Gizmodo, El Pais.

Emerson Alecrim





  • oi, boa noite!!! quero saber se um homem negro em pe e 20 homens brancos fazendo reverencia teria tanta polemica. mail dibner@curitiba.org.br

  • Thiago Menezes

    Olá Sérgio, até que concordo com você, a palavra racismo hoje está perdendo um pouco seu sentido, racismo é repudio a qualquer tipo de diferença, ou seja se existi-se um negro de pé e 7 homens brancos ao chão poderiamos sim dizer que isto é um tipo de racismo. Agora, se causaria tanta polêmica, é ai eu acho que não.
    Um Abraço!

  • Particularmente acredito que o pessoal que bolou a peça deve ter se lembrado dos corredores do Quênia, famoso por ganhar tudo quanto é campeonato de corrida mundo a fora. Daí a explicação para escolha de atores negros para a peça.

    Em todo caso, não gostei do trabalho porque achei a própria concepção da idéia fraca.

  • JMambuque

    Alo pessoal!

    Acho que desta não tem nada haver com o racismo, sou negro e adoro minha raça e todas outras, somos humanos odeio isto de racismo mas a intel de certa forma se verificarmos com cuidado ate nos elevou ou seja de um angulo real vem ai exposta uma especie de reforço de atletas fortimente treinados e a intel mostrou que reconhece nesta area de a raça quando se fala de GRANDES atletas!!!

    Abraços!

  • Emerson Alecrim

    Sérgio e Thiago, é verdade. Se fosse o contrário, certamente não haveria qualquer polêmica.

    Khristofferson, concordo com o que disse. Se a peça não não consegue transmitir sua idéia, é porque foi mal feita.

    Pois é, JMambuque. Acho que a Intel quis mesmo enfatizar a imagem dos atletas, não agiu com má intenção, pelo menos é o que penso 🙂

  • angela damasceno de santana

    particulamente nao adquiria o produto da empresa ainda mais se tratando e informatica onde misigenação esta gritante junto com a adversidade