Focus@will: aumentando a produtividade com música

A tecnologia que temos hoje nos colocou em um paradoxo. Temos computadores mais poderosos, smartphones dotados de várias funções, conexões rápidas à internet e por aí vai. Esse arsenal ampliou nosso poder de comunicação, melhorou processos e, de modo geral, tornou nossas vidas mais práticas. Por outro lado, agora há tantas informações disponíveis que, não raramente, é difícil nos concentrarmos.

Não dá para culpar só a tecnologia. É da natureza humana procrastinar ou mesmo priorizar atividades mais prazerosas, ainda que estas durem pouco tempo (a satisfação de uma curtida no Instagram, por exemplo). Sem contar que as pressões do dia a dia também interferem na nossa capacidade de foco — é tanta coisa para processar…

Produtividade - Imagem por Lifehack

Imagem por Lifehack

Com mais ou menos intensidade, quase todo mundo passa por essa situação. Mas não há uma causa única, um remédio só. Cada um deve descobrir as suas fontes do problema e, tanto quanto possível, atacá-las.

No meu caso, desativar notificações menos importantes (de redes sociais, por exemplo) durante o trabalho e ter uma agenda simples, mas organizada (isso diminui a sensação de que não sobra tempo) deu resultado. Mas só até certo ponto.

Eu trabalho escrevendo. Logo, percebi que qualquer barulho — carros na rua, obras no vizinho, gente conversando por perto, etc. — atrapalhava a minha concentração. Isso me fazia tentar ocupar a cabeça rapidamente com outra coisa, como com uma olhadinha no Facebook. A solução é então presumível: evitar os ruídos.

Simplesmente não dá para tapar os ouvidos. Foi então que, pesquisando, descobri que ouvir música durante o trabalho pode ser de grande ajuda. Eu comecei a ouvir as canções que eu gosto enquanto escrevia. Conclusão: ficava balançando a cabeça curtindo a música, prestava atenção na letra, cantava junto. Não deu certo.

Depois disso, eu fui tentando outras abordagens. Tive algum sucesso, mas só consegui algo convincente no ano passado, quando, por acaso, encontrei o Focus@will. Trata-se de um serviço de streaming de áudio, mas com um grande diferencial: todo o acervo é composto por músicas que te ajudam a ficar concentrado.

Os responsáveis pelo serviço afirmam que fizeram estudos de neurociência e psicologia para entender os mecanismos da distração e como a música pode combatê-los. O resultado desse trabalho é a criação de um acervo que só contém músicas que “acalmam” o sistema límbico, a parte do cérebro que lida com emoções e está sempre atenta para detectar perigo, encontrar comida, lidar com ações instintivas e por aí vai.

As músicas não têm letra e não é possível escolher quais ouvir. Porém, você pode definir as categorias: clássica, acústico, “cinematic” (trilhas instrumentais do cinema), entre outros. Há também sons de água da chuva, barulho de cafeterias, etc. Em todos, você também consegue definir o nível de energia: se você estiver meio sonolento, por exemplo, convém colocar em “High” (alto).

Focus@will

É claro que não posso assegurar que o Focus@will funciona para todo mundo. Mas comigo deu muito certo. Além de ter diminuído drasticamente as minhas distrações, algumas músicas — como esta — têm efeito estimulante, isto é, acabam me dando mais ânimo. Não deu outra: me tornei assinante. Venho usando o serviço desde abril de 2014.

Sim, assinante. O Focus@will é pago. Na data de publicação deste post, o serviço custava 5,99 dólares por mês ou 49,99 dólares por ano. Em tempos de dólar acima de 3 reais, pode parecer caro, mas no meu caso é um investimento que tem compensado: o trabalho está fluindo e, embora ainda sobre pendências de vez em quando, não tenho mais aquela sensação de que não consigo aproveitar o meu tempo.

O Focus@will tem um período de teste gratuito de 15 dias. Se você não quiser assinar, pode ao menos conhecer o serviço para ficar por dentro dos estilos musicais usados e então procurá-los no YouTube ou em algum serviço de streaming (como o Spotify), se você usa um.

Focus@will

Se você quiser experimentar, o cadastro por este link te dá 10% de desconto e faz com que eu ganhe um mês de assinatura adicional. Isso, obviamente, se você se tornar assinante após os 15 dias. Se você quer avaliar, mas não concorda com isso, não tem problema: é só digitar focusatwill.com em seu navegador. Além da versão web, o Focus@will tem apps para Android e iOS.

Veja, eu não estou dizendo que o Focus@will é um serviço mágico. Não é só começar a usá-lo e, automaticamente, você ficará focado. Você ainda terá que se policiar para não ficar acessando redes sociais a toda hora ou empurrando trabalho para mais tarde. Talvez seja necessário até buscar orientações complementares, como as do livro Foco, de Daniel Goleman (falarei dele em outra ocasião) ou, em casos mais sérios, até procurar ajuda profissional.

Mas comigo o Focus@will funciona. Com alguns amigos também. Encontrei relatos na internet dizendo a mesma coisa. Isso me deixou seguro para dar a dica aqui: os resultados obtidos não devem ser só efeito da sugestão.

Por Emerson Alecrim





  • Legal. Comigo é bem parecido. Se trabalho ouvindo música, trabalho mais rápido.
    House e trance são minhas favoritas, mas um bom rock também ajuda e se houver um bom cafezinho tudo acontece com mais facilidade.