Falha de programação fez satélite Mars Global Surveyor “cometer suicídio”

Mars Global SurveyorUma situação que seria relatada com a mais pura naturalidade no Guia do Mochileiro das Galáxias, certamente teve efeito contrário na NASA: a perda da sonda Mars Global Surveyor (MGS) foi ocasionada por uma falha de programação.

A sonda MGS foi lançada ao espaço em novembro de 1996, e chegou à órbita de Marte em setembro de 1997. Desde então, passou a registrar milhares de fotos do planeta vermelho: foram mais de 240 mil imagens. Poderia ter sido mais, se a MGS não tivesse ficado inoperante em novembro de 2006. A causa do problema vinha sendo investigada desde o ocorrido. A conclusão saiu neste mês (abril de 2007).

Em resumo, eis o que aconteceu: o sistema da MGS foi desenvolvido para trabalhar com redundância de dados para evitar que o satélite fique inoperante por falhas do equipamento ou do próprio software. Ao menor sinal de diferença entre as cópias de alguma informação, o sistema da MGS dispara um alerta.

Durante o envio de uma instrução de reposicionamento de uma das antenas da sonda em setembro de 2005, essa inconsistência de dados aconteceu. Todavia, essa diferença não era perigosa para a MGS, mesmo assim, seu sistema acionou a rotina de segurança. Como conseqüência, a NASA enviou em junho de 2006 uma atualização das instruções.

A situação se tornou crítica neste ponto: as informações foram gravadas em um endereço de memória errado (para quem entende de programação, aparentemente foi um erro de ponteiros), o que fez com que os painéis solares da MGS atingissem, fisicamente, os limites de segurança. Como esse limite não chegou a ser ultrapassado, o satélite continuou operando, até que, em novembro de 2006, a NASA enviou instruções para o reposicionamento de um painel, mas isso fez com que este girasse até seu limite físico. O sistema da MGS notou o problema e entendeu que o painel ficou obstruído. Nesse momento, a sonda entrou em modo de contingência, isto é, limitou suas ações para não haver mais danos. Porém, isso aconteceu de tal forma que a bateria principal acabou ficando exposta ao Sol. Naturalmente, a bateria superaqueceu, mas a sonda entendeu que houve uma sobrecarga, então cortou o recarregamento de energia e passou a utilizar a bateria reserva. Esta, por sua vez, ficou sem energia depois de 12 horas, pondo fim ao funcionamento do satélite.

Tentando se proteger, a Mars Global Surveyor acabou “se matando”. Alguns estudiosos do assunto dizem que a revisão mais constante da sonda poderia ter detectado a falha de programação que foi a origem de todo o problema.

Apesar de seu fim lamentável, a sonda cumpriu bem sua missão. Inicialmente, ela deveria ter operado por dois anos, mas trabalhou por dez. Foi responsável por descobertas importantes sobre a superfície de Marte, sendo a mais conhecida delas a confirmação de evidências de água no solo marciano. Saiba mais sobre a MGS nesta página.

Referências: IT News e NASA.

Emerson Alecrim





  • e eu que achava que re-instalar meu sistema por motivos de “burrisse” da minha parte era um coisa extremamente lamentável 😛

  • Emerson Alecrim

    Pois é, mas no caso em questão, o problema é mais embaixo: ponteiro não é uma coisa simples de lidar. Conheço alguns programadores que têm trauma disso, hehehe…

  • Bom, confesso q o termo burrisse foi um pouco pesado. Mesmo pq não tenho o direito de falar pois tenho somente uma leve noção de programação 🙂 Mas o intuito do post foi mais brincar com o fato que, se ter que re-instalar meu sistema já me deixava um tanto quanto bravo, imagina quem perdeu um satélite 🙂