Em breve: Telefônica passará a se chamar Vivo no Brasil

A Telefônica passou a ser um nome conhecido no Brasil – especialmente entre os paulistanos – depois da privatização da Telesp, que foi a companhia de telecomunicações de São Paulo por muito tempo. No entanto, a empresa existe há décadas: suas atividades foram iniciadas em 1924, na Espanha. Acontece que este nome tão “querido” em breve será coisa do passado em terras tupiniquins: todos os serviços da Telefônica passarão a ostentar a marca Vivo a partir de 15 de abril de 2012.

Vivo - Telefônica

A princípio, podemos imaginar que a mudança é uma tentativa de aliviar a imagem negativa que a Telefônica tem no Brasil, imagem esta que “fixou” na marca por conta dos inúmeros problemas que a companhia teve por aqui (como este do Speedy). Talvez este seja um dos motivos, mas na verdade, trata-se de algo mais amplo: uma reestruturação global iniciada no final de 2010.

É um processo complexo, que envolve as várias divisões da empresa, mas que tem entre seus principais pilares a integração das operações móveis e fixas da companhia nos diversos países em que atua. É uma forma não só de otimizar processos ou rotinas administrativas, mas principalmente de reforçar as marcas mais presentes do grupo.

Faz sentido, especialmente se levarmos em conta que a concorrência está executando um plano parecido: a América Móvil está colocando vários de seus negócios na América Latina debaixo da marca Claro. É por este motivo que, recentemente, a Via Embratel virou Claro TV, por exemplo.

O gatilho para a mudança da Telefônica no Brasil foi a aquisição da parte da Vivo que pertencia à Portugal Telecom, em julho de 2010. Até então, ambas as empresas dividiam, de certa forma, o controle da Vivo. Com a compra, a Telefônica passou a ter pleno domínio da operadora. Como a Vivo é uma marca bastante forte no Brasil – é a maior prestadora de telefonia celular do país em número de clientes –, acabou servindo como uma luva para a estratégia da Telefônica.

No início, cogitou-se até mesmo a possibilidade de a Telefônica virar Movistar no Brasil, marca que é bastante popular no Chile e na Argentina, por exemplo (razão pela qual entrou no lugar da Telefônica nestes países), mas seria arriscado: para ficar com uma marca só, a Telefônica também teria que transformar a Vivo em Movistar, possivelmente causando mais confusão do que renovação de imagem.

Agora as coisas ficarão da seguinte forma em relação aos serviços da Telefônica:

  • Linha Fixa Telefônica vira Vivo Fixo;
  • Telefônica 15 vira Vivo 15;
  • Speedy vira Vivo Speedy;
  • Telefônica TV Digital roda, roda e vira Vivo TV;
  • Fibra Banda Larga vira Vivo Speedy Fibra;
  • Ajato, veja só, também ficará como Vivo Speedy;
  • TV (TVA) também vira Vivo TV;
  • Fibra TV vira Vivo TV Fibra.

De maneira geral, a organização da Telefônica por região ficará assim:

  • Movistar na Espanha e na América Latina, com exceção para o Brasil;
  • O2 no Reino Unido, Irlanda, Alemanha, República Checa e Eslováquia;
  • Vivo no Brasil;
  • Telefónica (ou Telefônica) continua existindo, mas apenas para funções institucionais.

A princípio, pelo menos no que se refere ao Brasil no curto prazo, nada muda para os clientes em termos de qualidade de serviço. Mas eu não esperaria muita coisa, afinal, a mudança não é acompanhada de anúncios de grandes investimentos para ampliação da rede ou alguma coisa do tipo. Pelo menos até agora, o que está havendo é apenas uma alteração de embalagem. O produto continua o mesmo.

Emerson Alecrim